sábado, agosto 24, 2013

O Big Data continua bombando



Uma passeada pelo Google Trends, a ferramenta de tendências em pesquisa do gigante americano, indica que ele é forte na India e Estados Unidos. Aqui no Brasil, o Big Data aparece mais e mais no mercado de GED (Gerenciamento Eletrônico de Documentos), e segue suscitando dúvidas.






Continuando a tendência do ano passado, o Big Data continua muito presente nas rodas de discussão
quando se fala em gerenciamento de informações. Conforme o infográfico abaixo de O Globo, o Big Data é um “conjunto de soluções tecnológicas capaz de lidar com dados digitais “ com inéditos parâmetros de volume, variedade e velocidade. Esses dados incluem os dados não estruturados, como os seus post no Facebook e os seus tweets, que dependem de um contexto para terem significado, perdendo o sentido, portanto, quando são lidos mecanicamente por máquinas.


Daí podemos concluir imediatamente que a análise mais acurada desses dados é que vai embasar a 
tomada de decisão mais proveitosa e lucrativa para uma empresa, e isso demanda profissionais competentes. O fator humano pode fazer, então, toda a diferença O professor Henrique Ferreira, bibliotecário, que ministra as disciplinas “Geração de Base de Dados” e “Automatização de bibliotecas” chama a atenção para este detalhe em artigo publicado esta semana pela agência FESPSP de notícias: “Vale lembrar que só a tecnologia de Big Data, bem como qualquer outra tecnologia, não apresentará resultados se as empresas não contarem com profissionais capazes de operar, analisar, entender e tomar decisões (tirar conclusões mais acertadas) e determinar ações com base nesses dados”, ressalta.

Professor Henrique Ferreira
Por outro lado, como tudo em tecnologia, os modismos não resistem ao tempo e o Big Data ainda está em processo de avaliação. “O trabalho com Big Data não pode ser visto como um modismo ou adotado por qualquer organização sem o entendimento e a real necessidade desse tipo de investimento”, continua o professor. E isso vale também para quem pretende se lançar neste nicho de mercado, ainda restrito para poucos, como alerta o professor Henrique: “Para os profissionais envolvidos, sejam eles de tecnologia, de tratamento da informação, de gestão, ou qualquer outro interessado, não é prudente apostar todas as suas fichas nessa nova tendência, já que seus resultados tem sido válidos para as grandes corporações, o que 'elitiza' um pouco sua aplicabilidade”.

E o que o bibliotecário, como pode lidar com o Big Data?  Joseph Janes, professor da Universidade de Washington, leciona na Information School da universidade, que seria o departamento relacionado à Ciência da Informação e Tecnologia. Em sua análise em artigo na revista American Libraries, ainda em 2012, Janes já apontava o bibliotecário de referência como o profissional mais indicado para humanizar o Big Data, pois ele está na categoria de profissionais que pensam as questões de privacidade, autoridade, qualidade, autenticidade, racionalidade e ética. O bibliotecário de referência, continua Janes, é quem centraliza os processos em um esforço de aprimorar a condição humana e as vidas de todos os indivíduos, criando ferramentas para a circulação e a sustentabilidade de dados na imensidão do Big Data e encontrar a informação exata que seu usuário precisa.

Em 18 de setembro, a National Information Standards Organization (NISO), organização americana que congrega especialistas em serviços de informação, reunirá em um seminário pela web, o chamado webinar, especialistas para a discussão de curadoria de pesquisa de dados e a o impacto do Big Data nas bibliotecas. Os preços são salgados, especialmente em tempos de alta do dólar, mas os estudantes pagam 74 dólares para as duas partes do webinar, o que equivale a metade do preço do valor cheio, com inscrições até o dia 18 de setembro. Oportunidade de treinar o seu inglês e conhecer as propostas de gerenciamento desta tecnologia em bibliotecas universitárias e nas instituições de pesquisa científica americanas.

Veja aqui uma sugestão de roteiro de leituras sobre o Big Data, com e-books gratuitos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário