sexta-feira, novembro 08, 2013

14º ENANCIB: pesquisa em Ciência da Informação

O 14º Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação, o ENANCIB, aconteceu em Florianópolis, de 29 de outubro a 01 de novembro. Com o tema “Informação e interação: ampliando perspectivas para o desenvolvimento humano”, dividiu-se em 11 grupos de trabalho (GT), discutindo múltiplos aspectos da Ciência da Informação:





Acesse os anais do encontro, com todos os trabalhos publicados em formato .pdf aqui.

Análise

O professor Francisco Lopes de Aguiar (FESPSP), que apresentou os resultados parciais de sua pesquisa
Professor Francisco Lopes
no doutorado pela ECA/USP
 no GT1 e participou também do GT2, chama a atenção para a importância do evento: “O ENANCIB é o principal evento na área de Ciência da Informação, que congrega professores e pesquisadores do Brasil inteiro. É importante para estabelecer as relações sociais por que a ciência não se faz só com o conhecimento produzido em si mesma.”

O professor destacou também a forte presença dos pesquisadores e professores da região nordeste, onde estão nove cursos de graduação em Biblioteconomia: “A Universidade Federal da Paraíba (UFPB), a Universidade Federal do Ceará (UFC), Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN),  estavam todas lá, com pesquisas e falas interessantes.”

Carência de pesquisas epistemológicas e relações interdisciplinares entre Ciência da Informação, Biblioteconomia, Arquivologia  e Museologia

Por outro lado, porém, observou que apesar haver uma quantidade considerável de trabalhos apresentados no GT1 para discutir as questões epistemológicas, teóricas e conceituais da CI.” De acordo com o professor, ainda há uma carência de pesquisas mais aprofundas na área para entender o seu objeto, a informação, e isso reflete em discussões recorrentes que ainda buscam superar antagonismos que permeiam as fronteiras entre as sub-áreas irmãs da Ciência da Informação. “Por muito tempo, a Ciência da Informação insistiu em delimitar o seu objeto de pesquisa, a informação, mas em um viés intangível, e deixando em segundo plano a concepção de informação como suporte, como documento, ou seja, entender o documento como um suporte conceitual. Hoje, pela pressão das tecnologias e do volume de informação que está sendo produzido, me parece que, cada vez mais, a Ciência da Informação está voltando à sua base, para entender a sua identidade e revisitar as relações com as suas irmãs: Biblioteconomia e Arquivologia e Museologia. Para isso faz-se necessário estabelecer relações dialógicas e interdisciplinares mais aprofundadas para melhor compreensão das especificidades que envolvem áreas da Biblioteconomia, Arquivologia e Museologia. Percebo que há um retorno para o documento compreendido enquanto objeto conceitual, no sentido de ressignificá-lo na contemporaneidade. Essa discussão está muito presente na literatura,” aponta o professor e pesquisador.  Apesar da Ciência da Informação ter nascido no contexto da pós-modernidade, parte de suas bases teórico-conceituais acerca dos processos de organização e tratamento de conteúdos documentais possuem relações estreitas com a Biblioteconomia e Documentação que foram desenvolvidas na modernidade. Assim, para institucionalizar seu quadro epistemológico a CI importou conceitos, teorias e metodologias advindas da Biblioteconomia e Documentação. Ao meu ver estabelecer relações interdisciplinares nos planos pragmáticos e teóricos entre Biblioteconomia, Arquivologia e Museologia é uma estratégia imprescindível e assertiva para o fortalecimento institucional, cognitivo e identitário da Ciência da Informação”, afirma o professor.

Para conhecer o estado da arte das pesquisas

A professora da UNIRIO, Daniela Spudeit, participou da comissão organizadora e vê o evento com muito entusiasmo e ótimas perspectivas para a área. Em seu relato enviado para a MC, destacou o ENANCIB como um importante momento para se “conhecer o estado da arte das pesquisas, refletir sobre o panorama da área, estabelecer vínculos e novas parcerias”, elencando variadas ações que contribuem para o fortalecimento da profissão:

“Este ano foi minha estreia no ENANCIB, que é considerado o ponto de encontro dos pesquisadores no país, ou “a festa da pesquisa em Ciência da Informação no Brasil”, como disse Isa Freire, Presidente da Associação Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação (Ancib).

Professoras Sueli Amaral e Daniela Spudeit
E a estreia foi duplamente comemorada, pois o evento foi realizado na minha querida Florianópolis.  Além de poder assistir às apresentações de vários trabalhos e pesquisas sobre temáticas a que venho me dedicando, o evento possibilita a troca e o compartilhamento de conhecimentos e também a oportunidade de conhecer grandes pesquisadores da Ciência da Informação no país. Era engraçado ver as pessoas tietando professores renomados de quem estamos acostumados a ver livros publicados, mas não em carne e osso. Eu também tive meu momento de fã quando encontrei a Sueli Amaral, da UNB, da qual li vários artigos e livros na área de marketing em unidades de informação, assunto de que gosto muito e que compartilho do mesmo ponto de vista dela em relação à importância do uso de estratégias mercadológicas para atrair e fidelizar clientes em unidades de informações.

Assim como em outros eventos científicos, o ENANCIB permite esse encontro e reencontro com pessoas que marcam nossa vida acadêmica e profissional, são nossas referências que muitas vezes viram muletas para nos posicionarmos e defendermos nossos pontos de vista. Como pesquisadores e professores, temos a vida tão corrida e cheia de prazos para cumprir que o fato de ir a um grande evento como o ENANCIB possibilita conhecer pesquisadores pioneiros que vêm consolidando nossa área e se destacando no cenário mundial que envolve a legitimação da Ciência da Informação como campo de conhecimento.

Discutir esses assuntos com nossos pares, conhecer o estado da arte das pesquisas, refletir sobre o panorama da área, estabelecer vínculos e novas parcerias por meio de encontros informais para outras futuras pesquisas é o que move a ciência e contribui para o fortalecimento da profissão. Creio que os eventos científicos tem um papel importante no  processo de comunicação científica e desenvolvimento de uma profissão, por isso o ENANCIB é a principal rede social dos pesquisadores da Ciência da Informação no país.”

Ajudar, participar e crescer

Viviane Jerônimo, estudante de Biblioteconomia da UFSC, também pode vivenciar uma experiência muito
Viviane, segunda a esquerda e acima, em ação no ENANCIB
rica para sua futura carreira. Em relato gentilmente enviado para a MC,  Viviane nos conta que, ajudando na organização, aproveitou para observar os trabalhos apresentados no GT6 e ampliar sua rede de contatos: “Eu trabalhei no evento, ajudando na organização. Fiquei auxiliando os trabalhos do GT6 - Informação, Educação e Trabalho nos três dias, mas somente no período matutino, portanto só acompanhei alguns trabalhos apresentados. Do evento como um todo, considerei muito bom. Além da qualidade dos trabalhos apresentados (dos que pude acompanhar), foi muito positivo observar os estudos que estão surgindo dentro das linhas de pesquisa dos programas de pós-graduação em todo o Brasil. Além disso, a ampliação da rede de contatos em eventos assim é muito valiosa para quem participa, pois de encontros assim é que surgem boas ideias de projetos para a área da CI”, afirmou Viviane.
Fica, então, o convite para todos participarem do próximo ENANCIB, que acontecerá em 2015, em local a ser definido. Para quem estiver no mestrado ou doutorado, ou para quem estiver planejando sua pesquisa, é uma oportunidade de ouro que contribui bastante para o desenvolvimento profissional.#ficaadica.


Acesse a página do Facebook com fotos do evento aqui.


Daniela Spudeit é Mestre em Ciência da Informação (UFSC), especialista em Gestão de Unidades de Informação (UDESC), especialista em Didática do Ensino Superior (SENAC), bacharel em Biblioteconomia (UFSC) e licenciada em Pedagogia (UDESC). Pesquisadora e professora no curso de Biblioteconomia (licenciatura e bacharelado) da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) na área de gestão de unidades de informação e formação de coleções. Atua na avaliação de trabalhos em eventos e de artigos de revistas, é tutora em cursos EAD na área de Biblioteconomia. Temas de pesquisa: profissionais da informação, ensino, formação e atuação profissional, movimento associativo, gestão de unidades de informação, mídias sociais, competência informacional e educação. Contatos: danielaspudeit@gmail.com (Lattes - Facebook -Twitter - LinkedIn - Youtube - CMind


Francisco Lopes de Aguiar é doutorando no Programa de Pós-Graduação de Ciência da Informação da Universidade de São Paulo- ECA/USP. Mestre em Ciência da Informação pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC e bacharel em Biblioteconomia e Ciência da Informação pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FaBCi-FESPSP. Docente no curso de Biblioteconomia e Ciência da Informação da FaBCi-FESPSP e do curso de Pós-Graduação em Planejamento e Gerenciamento de Sistemas de Informação. Coordenador da Comissão de Fiscalização no Conselho Regional de Biblioteconomia do Estado de São Paulo/CRB8º e Editor de Tecnologia da Revista CRB8 Digital. Tem experiência na área de Ciência da Informação, utilizando-se de conhecimentos interdisciplinares entre as áreas de Biblioteconomia, Arquivologia, Ciência da Informação e Tecnologias da Informação. Atua no mercado de Gerenciamento Documentos, Dados, Informação e Conhecimento há aproximadamente 14 anos, desenvolvendo projetos de concepção e Implementação de Arquivos Empresariais/Corporativos, Centros de Informação e Documentação,Bibliotecas Universitárias/Especializadas,Bibliotecas/RepositóriosDigitais/Institu-cionais, Informatização de Recursos e Serviços de Informação, Organização e Tratamento da Informação Arquivística/Corporativa, Mapeamento de Processos, Classificação de Conteúdos Arquivísticos, Descrição Arquivística, Avaliação Documental, TTD - Tabela de Temporalidade Documental, GED - Gerenciamento Eletrônico de Documentos. Desenvolvimento e Aplicação de Linguagens de Representação Documentária para organização e recuperação de conteúdos em ambiente digitais (Taxonomia e vocabulário controlado). Aplicação de Tecnologias da Informação e Comunicação baseadas na filosofia e metodologia do Movimento de Acesso Livre ao Conhecimento. (Fonte: Currículo Lattes)  


Viviane Jerônimo é formada em técnico em Nutrição e Dietética, área em que atuou por 3 anos. Atualmente é graduanda em Biblioteconomia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e auxiliar de biblioteca no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina (IFSC, Campus Florianópolis). Realizou estágios em biblioteca especializada na área jurídica, biblioteca escolar e bibliotecas universitárias e foi monitora nas disciplinas de Biblioterapia, Indexação, Fundamentos de Biblioteconomia, Gestão Estratégica em Unidades de Informação e atualmente é monitora na disciplina de Estudos de Usuários e de Comunidades. Foi diretora administrativa na Biblio-Jr (Empresa Júnior de Biblioteconomia da UFSC) e é membro da comissão eleitoral 2013 da Associação Catarinense de Bibliotecários (ACB).LinkedIn: http://linkd.in/18TPwmP  -  Twitter: https://twitter.com/Vivi_biblio

Nenhum comentário:

Postar um comentário