domingo, novembro 30, 2014

Seminário Tendências 2014

━ Você conhece algum bibliotecário clínico? E já ouviu falar em bibliotecário da indústria farmacêutica?  Ou o bibliotecário especialista em cinema?
Estes são perfis de mercado que apontam novas têndências na área e agitam corações e mentes dos egressos do curso de Biblioteconomia da FESPSP, fato visto e comprovado  no mais recente Seminário sobre Tendências Contemporâneas,   oferecido na disciplina do sexto semestre, “Tópicos avançados em Gestão da Informação e do Conhecimento”. 


Paixão, dedicação, engajamento. No encerramento do curso ministrado pela Professora Valéria Martin Valls, os profissionais apresentados pelos alunos do último ano não apenas desbravam novos caminhos na área de informação, mas fazem isso com foco e expertise.
É o caso de Luciana Meira, bibliotecária da farmacêutica Takeda. Luciana Meira está na indústria farmacêutica desde 2005. Começou como estagiária de Documentação Científica (DC). Inicialmente, o escopo de sua função foi o de indexar os artigos científicos relacionados aos produtos da empresa. Devido um projeto de remodelamento da Intranet e do site institucional em que sua gestora começou a trabalhar com gerenciamento de conteúdo para todos os sites que na época a empresa tinha. Devido à complexidade, houve a necessidade de entender melhor como se fazia um site, assim partiu para o curso de construção de sites, na Impacta.
Assim, os sites ficaram sob responsabilidade da Documentação Científica até 2010, quando passaram para o Departamento de Comunicação. Ressalta-se que em 2008, o site sobre doença inflamatória intestinal - www.dii.com.br - foi o quarto colocado no Prêmio Lupa de Ouro da Indústria Farmacêutica. Bem como, o caso do site foi apresentado no 9. CRICS - Congresso Regional de Informação em Ciências da Saúde.


Desde 2008, é coordenadora de um programa de endomarketing, denominado PENSA (Programa de Educação em Saúde) que visa disseminar informações técnicas-científicas sobre os medicamentos numa linguagem mais simples de modo que seja assimilável pela maior quantidade de funcionários, desde o chão de fábrica ao presidente.

As alunas Juliana Reisa e Sheila Silveira apresentaram o perfil do bibliotecário clínico, com a visita da bibliotecária do Hospital Albert Einstein, Priscila Nascimento. Para este profissional, é fundamental a constante atualização e o domínio da recuperação de documentos nas fontes de informação em ciências da saúde, como a base LILACS e a PubMed, entre muitas outras. Entre as muitas atividades e processos que fazem parte da rotina do bibliotecário clínico, destacam-se a atualização do curriculum lattes dos profissionais da saúde, levantamento bibliográfico para alunos e professores e gerenciamento da produção científica em geral, e, em especial, do corpo do próprio hospital. Além disso, este bibliotecário também deve ter um olhar muito cuidadoso com os processos financeiros pois a assinatura e gerenciamento de recursos eletrônicos tem uma forte demanda.

E já é conhecida a grande expansão da indústria do áudio visual no país, que tem reflexo na grande procura do curso no último vestibular da Fuvest, que superou publicidade e jornalismo, tradicionalmente, entre os mais concorridos. Para coletar, catalogar e disseminar tamanha produção fílmica contemporânea, o bibliotecário é o profissional que o mercado pede. Os alunos Renata Postalli, Jennifer Amato, Luana Araújo, Alex Silva, Silvia Souza e Sonia Dias apresentaram Marina Macambyra, que trabalha com documentação audiovisual desde 1982. Marina conta que aprendeu muita coisa na prática, quando foi convidada para organizar a Filmoteca da Escola de Comunicações e Artes da USP, assim que se formou na instituição. Marina gerencia a Base Cena, acervo que contém filmes produzidos pelos alunos, além de obras importantes nacionais e internacionais, documentários, vídeo-arte, programa de TV, peças publicitárias, entre outros documentos. A bibliotecária destaca que é preciso conhecer o acervo e técnicas de indexação para um trabalho de qualidade.

Em todos os perfis apresentados, ficou evidente que o profisisonal deve continuar estudando ao sair da faculdade e que o local de trabalho é a principal fonte de prática para a formação continuada. A complementação virá com cursos livres, de especialização, de mestrado, doutorado, de tal forma que o capital intelectual e social possa se expandir e gerar conhecimento para o próprio profissional e também para a comunidade a qual ele está vinculado.


Além destes perfis, também foram apresentados, entre outros:

Laura Pimentel, Bibliotecária especialista em arquitetura da informação, por Cristiane Silva, Gildásio Santos e Vanessa Paulino.

Bibliotecário autônomo em projetos de organização de acervos e coleções particulares, por Josiane Silva, Mariana Araújo, Nathalia Oliveira, Priscila Amorim e Suellen Magno.

Claudete Silva, Bibliotecária em Segurança da Informação, com Ágata Souza, Aline Benitez, Cláudia Lima, Fabiane Grigolon e Sônia Silva.

Alexandre Miyzato, Bibliotecário da Cinemateca Brasileira, com Alexandre Amorim, Fernando Galante, Gabriela Ribeiro, Jéssica Molinari e Ricardo Luis Costa.

Michelli Sasaki, Bibliotecária em organização da informação virtual - User Experience Designer, com Daniely Niina, Milena Braz, Sidnei Rodrigues e Mônica Henriques.

Adriana Maria de Souza, Bibliotecária especialista em Coaching, com Camila Coppola, Eulália Chaves e Ricardo Medeiros.

Ana Maria Coelho, Bibliotecária especialista em indexação de imagens em movimento, com André Carlos da Silva, Jucélia Oliveira, Mariana de Paula Silva e Nayabe Rodrigues.

Programa +60 da Biblioteca de São Paulo, com Daniel Sanches, Marisa Gusmão, Oseias Vasconcelos, Tamiris Cristiane.

Para ter acesso a todo o material disponível no seminário, envie um email para valls@fespsp.com.br.


Matéria por Roselene Mariane de Medeiros, aluna do sexto semestre noturno.

Nenhum comentário:

Postar um comentário