terça-feira, outubro 11, 2016

Relato: Fórum de Inovação e Empreendedorismo na Biblioteconomia: parte 2

por Sidnei Rodrigues de Andrade
Saudações, Profissionais da Informação.
Conforme havia prometido na reportagem especial anterior, aqui está a segunda parte do Fórum de Inovação e Empreendedorismo na Biblioteconomia que aconteceu na Biblioteca de São Paulo, no dia 27 de Agosto – Sábado. Lembrando que a temática do evento: ações inovadoras em vários campos do conhecimento humano.  A segunda parte do fórum que aconteceu no período vespertino, tendo a apresentação da primeira mesa-redonda: Capital Intelectual, Gestão de Pessoas e parceiras estratégicas.
A mediação de Claudia Guzzo – Representante do Guzzo Projetos/ Solidaridad Network/Comissão Técnica do Evento e os convidados: Fabiano Caruso – Representante da ExtraLibris, Guilma Vidal Viruez – Representante da DataCoop e Renate Land – Representante da Egregora Inteligência.
Fonte: Revista Biblioo

A especialista Renate Land menciona bem no inicio de sua apresentação aos profissionais da informação participantes que empreender é criar novas possibilidades e descobrir outros universos. Esse conceito que todos nós, estamos conhecendo é: gestores da informação e do conhecimento será uma tendência muito positiva, para aqueles que querem aprender e compartilhar essa nova “praia”, neste contexto contemporâneo.
As Instituições Públicas e Privadas em qualquer segmento da sociedade civil, precisa e necessita de colaboradores e parceiros com percepções multidisciplinares, a informação será principal elemento na tomada de decisão de quaisquer organizações em âmbito nacional e internacional.
Outro especialista que também afirma esta reflexão do cenário contemporâneo é Fabiano Caruso, disse aos participantes profissionais da informação que existe uma miopia do marketing, alguns colegas e organizações não sabem aprender, onde podem encontrar a solução para atende determinada problemática e a necessidade informacional do seu público.
Atualmente em nosso cenário da política brasileira contemporânea é desfavorável, entretanto é uma excelente oportunidade de encontrar soluções para a demanda social e educacional, não estamos “vendendo” ilusões imediatas, mas extrair máximo possível por meio da informação, que é a solução mais eficaz, que o acesso e a mediação ao conhecimento e da educação sejam as referências e meio que possam transformar as pessoas e instituições para serem os melhores do Planeta Terra.
Fonte: Google
O ambiente digital está constante transformação, por isso não há uma limitação de espaço, recomendou aos profissionais da informação [Bibliotecários, Arquivistas e Museólogos] que aprendam, criem e compartilhem conteúdo de qualidade e necessário de acordo com sua demanda especifica. As unidades de informação sempre vão estar conectadas na cultura digital, porque assim aplicar um conceito que todos queremos realmente neste cenário contemporâneo: conexão de ideias e conhecimento.
Também continua nesta mesma linha de reflexão, a especialista Guilma Vidal Viruez que explicou suas experiências e expõe sobre a importância da instituição DataCoop que idealizou e prestar serviços em várias instituições públicas e privadas. Um tópico bem interessante, mencionado pela Guilma, esta instituição foi idealizada pelos próprios bibliotecários, por esta simples iniciativa, criou uma cooperativa feita pelos profissionais da informação. Isto é um exemplo, aplicáveis para aqueles querem iniciar seus projetos pessoas e profissionais.

A Segunda Mesa-Redonda teve como temática: Apresentação de produtos/serviços e prospecção de clientes, com a mediação novamente da Claudia Guzzo e os convidados: Diego Abadan – Representante da Lepidus Tecnologia, Neide de Sordi – Representante da Innova Gestão, Rodrigo Pereira – Representante da Triagem Consultoria e Todeska Badke – Representante da EDoc.
Fonte: Revista Biblioo
O especialista Diego Abadan relatou sobre suas experiências e explicou como devemos fazer uma apresentação eficiente aos clientes e as instituições públicas e privadas. Sempre seja interessado em compartilhar seu aprendizado, independente de seu cliente e comunidade. Os termos dos profissionais da informação transformem em “simples palavras”, ou seja, mais breve possível na hora oferece e ofertar um determinado serviço.
A segunda convidada Neide de Sordi explanou sobre sua instituição e compartilhou vários pontos bem interessantes aos profissionais da informação, que empreender na área pública e privada é uma grande descoberta e aventura, nunca subtime seus clientes e a comunidade. Esclareça todas suas dúvidas e inquietações, quando estiver aplicando uma metodologia administrativa e profissional. Apontou um alerta importante, para todos os profissionais da informação que atrapalha o desenvolvimento para sermos BiblioEmpreendedores é a: Burocracia do Estado. Ao invés de incentivar, é uns maiores obstáculos que devemos enfrentar neste cenário contemporâneo.
Em seguida o especialista Rodrigo Pereira, têm 14 anos de experiência neste ramo de empreendedorismo, sua instituição é a (Triagem Consultoria). Em seu relato explicou suas experiências na área acadêmica, conheceu esse conceito por meio de outra especialista e convidada: Todeska Badke (EDoc).  A formula mais eficaz para atrair suas demandas, é buscar e localizar determinada informação que algumas instituições de ensino superior não ensinam, este é um grande segredo para todos nós aprendemos.
A formação do profissional da informação precisa ser um aprendizado transversal, ou seja, abrir empresa Junior para que todos possam compreender e entender, o que é realmente este conceito numa vivência teórica e aplicável. Cada demanda e cenário contemporâneo, têm uma forma particular de necessidade informacional, por isso profissionais da informação precisam, sempre aprender e não ter medo de descobrir e “desgustar” novos mundos.
Fonte: Google
“Ler é perceber e descobrir novos cenários e demandas” – Autor Desconhecido
A quarta convidada Todeska Badke compartilhou algumas reflexões pelas suas experiências de 40 anos neste ramo, sempre é uma pessoa inquieta e adorar pessoas. Explicou numa época que não tinha a internet, foi um grande aprendizado aplicar esse conceito: empreender é aplicar o conhecimento em  novas oportunidades.
Em seu relato disse que temos muitas oportunidades por meio da internet, é ficou surpreendida pela ausência de criatividade por parte de alguns jovens deste contexto contemporâneo, o profissional da informação precisa ter interesse em gestão de projetos que possam beneficiar qualquer cenário brasileiro e mundial.
A Terceira Mesa-Redonda teve como temática: Inovação e novos campos de atuação tendo a mediação da Adriana Ferrari – Representante da FEBAB, com as seguintes participantes: Claudia Guzzo – Representante do Guzzo Projetos/Solidaridad Network, Laura Pimental – Representante do UOL e Docente da Pós-Graduação da FESPSP e Paula Azevedo Macedo – Representante da Consultoria de Inovação.
Fonte: Revista Biblioo

A especialista Claudia Guzzo explanou sobre suas experiências e reflexões sobre como foi aprender e compreender este conceito empreender na Biblioteconomia. A implantação da Biblioteca Virtual da Bireme foram dez anos de implantação, a partir dessa oportunidade surgiram vários outros projetos interessantes de recuperação da informação em ambiente digitais. Apresentou vídeo de apresentação para todos os participantes profissionais da informação, onde foi aplicado esta metodologia nessa área de atuação.
O produtor rural sempre necessita de informação para melhorar seu cenário econômico e social, qualquer imagem tem um conhecimento para ser descoberto, quem pode fazer esse gerenciamento da informação? Vocês os profissionais da informação [Bibliotecário, Arquivistas e Museólogos] temos essas habilidades em analisar, tratar e disseminar qualquer item informacional para qualquer demanda nacional e internacional.  Compartilhou uma reflexão excelente aos participantes:
“A função dos profissionais da informação, é encontrar a pergunta certa para sua demanda e a comunidade. Não dar a “resposta certa”, mas apresentar os caminhos do conhecimento”. (GUZZO, FIEB. 2016)
A segunda convidada e docente Laura Pimentel bem inicio de sua explanação, relatou como devemos apresentar neste mercado de trabalho? Sendo um profissional da informação tendo as atitudes e competências diferenciadas? Mencionou suas carreiras profissionais e pessoais que se apaixonou pela Biblioteconomia, por sua percepção, há uma ausência de empatia em compreender a necessidade informacional do ser humano.
Para criar uma interface do site, os biblioempreendedores precisam fazer auto-questionamento antes de aplicar uma determinada metodologia digital, nunca tenha medo de arriscar em conhecer: arquitetura da informação.  Observar que está acontecendo neste cenário contemporâneo, para que possa criar novos produtos e serviços, assim a demanda terá agilidade e satisfação em sua necessidade emocional e cultural. Também compartilhou uma reflexão provocativa aos participantes.
“O Profissional da Informação precisa ir além de sua capacidade intelectual e emocional, para aplicar o verbo empreender”. (PIMENTEL, FIEB. 2016).

A terceira convidada Paula Azevedo Macedo apresentou as suas experiências sobre arquitetura da informação. Fez uma pergunta bem simples, para todos os participantes profissionais da informação: “como vocês se imaginem, daqui cinco anos?”. Essa pergunta fazia todos os dias para si mesma, para alcançar seus objetivos profissionais e pessoais.
Conheceu esse conceito por meio de um livro, indicado por uma Docente da USP, foi descobrindo e aprendendo como fazer um Desing Thiking para site na internet e outros ambientes reais e virtuais. Também afirmar a reflexão anterior da Laura Pimentel:
“A Biblioteconomia Brasileira é feita para as pessoas, descobrirem e acessar nosso conhecimento”. (MACEDO, FIEB. 2016).
Todos os dias estamos aprendendo, independente da comunidade, assim aplicamos um chavão que é muito conhecido pelo ditado popular: saia da zona de conforto.

Fonte: Google Figura 6

A última parte do evento foi lançamento do livro: Empreendedorismo na Biblioteconomia – Organizado pela idealizadora e responsável Daneila Spudeit.
Fonte: Revista Biblioo
Bem próximo do enceramento, foi anunciado a próxima cidade-sede do FIEB em 2017: Rio de Janeiro – 9 de Setembro, anotem em sua agenda, para quem tive interesse em participar desse sensacional evento.  
Fonte: Facebook

Para saber sobre esse evento, acessem os seguintes links:
 
Fonte: Facebook
Quando fui participar desse evento, tendo a participação de todos os profissionais da informação do Brasil, fique muito feliz e realizado. Não senti que estou sozinho, há vários BiblioAmigos (que considero a partir desse evento) que estão mesmo barco neste oceano do social. Ouvindo atentamente todos os relatos, percebi que foi dito a todo instante pelos convidados, por meio de suas experiências as palavras: aprender, compartilhar, amar e essencial gostar de seres humanos. Por essa imagem digo: juntos somos mais unidos! Agradeço todos vocês que estão lendo essa reportagem especial, abraços e muito obrigado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário