segunda-feira, março 06, 2017

Coluna: BiblioPedagogia - Bibliotecas em Escolas Inovadoras. Por Isabela Martins.

Fonte: Blog Bibliotecários Sem Fronteiras
Olá a todos!! É com muita alegria que inauguro aqui essa nova coluna na Monitoria Científica. A BiblioPedagogia surge da necessidade de discutirmos mais sobre esse espaço, a Biblioteca Escolar, e também para conversarmos mais sobre essa parceria que dá tão certo, mas que nunca acontece: a Biblioteconomia e a Pedagogia. Deixa eu me apresentar: Me chamo Isabela, me formei em 2015 na FESPSP e trabalho em biblioteca escolar. Sou simplesmente apaixonada por esse espaço tão criativo, cheio de possibilidades!

Para a nossa primeira conversa gostaria de trazer um tema bem atual: as escolas inovadoras. Como será que essas escolas tão diferentonas enxergam a biblioteca? Será que tem? Como elas são? Vamos ver...

Pelo dicionário Priberam, Inovação significa: ato ou efeito de inovar, introduzir novidades em, renovar; inventar; criar. Então quando falamos em Inovação, não necessariamente a coisa toda é inédita. Podemos ter uma inovação em parte, e não num todo.
A todo o momento nos últimos anos vemos muitas manchetes, com escolas inovadoras, escolas sem matérias, escolas sem muros, etc... Isso tudo são inovações sim, já que estamos tratando de elementos diferentes, novos, em uma estrutura antiga. Ressignificar a educação, mesmo que mantendo toda a sua estrutura física, já é uma inovação. Nessas inovações muito se confunde liberdade com anarquia, coisa bagunçada, etc., e o que mais me chama a atenção é que nesses espaços o coletivo é que é valorizado, e não o individualismo, enriquecendo ainda mais essas experiências.
Toda escola que parte para esse objetivo de "ser uma escola inovadora" vai certamente adotar conceitos pedagógicos modernos, ou pelo menos conceitos que vão contra os conceito tradicionais. Para isso eles irão implantar a questão da independência dos alunos de maneira primordial. Só que sem dar os devidos equipamentos para a sua independência, eles continuarão tendo como única fonte um professor, ou pior, uma Internet (isso quando os alunos tem acesso) sem nenhum tipo de orientação, provocando ainda mais confusão, e pouco esclarecimento aos alunos.
As coisas devem ter um propósito, sabe. Se não, vira aquilo:

"Olha, temos uma Impressora 3D!" "Sério, que legal, e vocês produzem o que lá?" "Ah, nada, mas a gente TEM um Maker Space!".

Entendem o que quero dizer? De nada vale ter milhões de inovações, se aquilo não traz benefício nenhum para a sociedade ou benefício nenhum para o processo de aprendizagem dos alunos.
E falando em espaço sem utilização, muitos justificam a falta de biblioteca por um suposto desinteresse da parte dos alunos. Claro que eles não têm interesse em uma biblioteca. Isso porque eles nunca tiveram uma! Dê a sua comunidade o espaço, e você verá o uso.
Olhem um exemplo de uma escola inovadora, que destaca a biblioteca: A Infinity Centre, na Austrália, pensou em toda a sua arquitetura colocando a biblioteca no eixo central da escola, pois acredita na biblioteca como o grande centro onde todos os conhecimentos estão reunidos.
Creio que uma biblioteca inovadora, dentro de uma escola inovadora, não é aquela que se perde em meio a tantas inovações, tecnologias. Para mim, é exatamente ela que vai avisar pra todo mundo: "Olhem aqui, isso aqui foi de onde viemos, essa é a base da civilização humana!". E certamente é essa biblioteca que promoverá os encontros. Que vai ser o centro de onde partirão todas as criações, pois é essa, exatamente essa, a função primordial da biblioteca: um centro de convergência.
Nisso de querer ser inovador, muitos se esquecem das coisas simples e bonitas. E bibliotecas boas, são simples e bonitas. Vamos inovar e lembrar o que realmente importa?
Para fechar, quero deixar uma dica: a série Destino: Educação, que tem inteirinha no canal Futura, e que mostra escolas inovadoras ao redor do mundo, vale a pena observar como a biblioteca quase sempre aparece nos episódios, sendo muito utilizada pelos alunos.

Quero muuuuito saber o que vocês acham desse assunto galera! Vamos comentar, compartilhar, discutir! Essa é a nossa força!! Até o nosso próximo encontro!

Isabela Martins
Formada em 2015 pela FESPSP, atua em biblioteca escolar. Fez o TCC sobre Competência informacional em Biblioteca Escolar. Contribui na Monitoria Científica desde o primeiro ano da faculdade. Contato pelo email: isabelam1508@gmail.com

3 comentários:

  1. Interessante texto sobre as escolas inovadoras. Concordo plenamente quando diz que a biblioteca deve ser inovadora, mas sem perder seu jeito "simples e bonito" de ser, afinal de contas, a biblioteca deve ser acolhedora e simples para que o associado ou usuário não se sinta assustado e não usufrua daquilo que é seu! Texto maravilhoso, parabéns!

    Cristiano Santos, aluno do primeiro semestre da FaBCI.

    ResponderExcluir
  2. Isabela, adorei seu texto e sua ideia. Antes de cursar biblioteconomia, fiz Pedagogia. No curso de Pedagogia conheci a Escola da Ponte, do professor José Pacheco, em Portugal.As crianças e os adolescentes que lá estudam definem quais são suas áreas de interesse e desenvolvem projetos de pesquisa, tanto em grupo como individuais. Como os alunos são potenciais pesquisadores, a biblioteca deve ter papel primordial nesse modelo pedagógico. A integração entre professores e bibliotecários é muito importante para o desenvolvimento do planejamento pedagógico, ou pelo menos deveria ser.
    Acredito que os cursos de Pedagogia e Biblioteconomia deveriam unir forças, unir disciplinas, montar um estágio para as práticas unificadas.

    Marina Orefice, aluna do quinto semestre da FaBCI.

    ResponderExcluir
  3. Que ótimo que gostaram da matéria. Teremos sempre nesta coluna essa temática da junção entre a Biblioteconomia e a Pedagogia. Fiquem a vontade para participar e enviar suas sugestões para a Isabela!!!

    ResponderExcluir