terça-feira, abril 04, 2017

Coluna: Filme da semana. Por Ana Beatriz Cristaldo.

 
PRECISAMOS falar sobre Minha vida de Abobrinha.
Precisamos falar essa semana.
Agora.
VEM!



Minha vida de abobrinha é uma animação franco-suiça e stop motion.


STOP O QUE?
Stop motion é uma técnica de animação MUITO usada e maravilhosa, é necessário um tipo de material específico e maleável para moldar os personagens, após toda a pintura e preparação estética a criação da animação se dá através desses modelos reais que são movimentados e fotografados quadro a quadro, com um mínimo de 24 quadros. Alguns exemplos de animações e stop motion são: Coraline, O estranho mundo de Jack, Paranorman e Box Trolls (PRECISAMOS FALAR DE BOXTROLLS TAMBÉM MEU DEUS DO CÉU).


Esse vídeo aqui da pra ver como é trabalhoso e delicado esse processo, não é do processo de criação do Minha vida de Abobrinha, maaaaas é sobre o lindinho do Boxtrolls e da pra ter uma ideia de quanto tempo leva pra terminar uma cena ou duas.
Nesse vídeo aqui inclusive você vê que a roupa do animador muda várias e várias vezes, o que da pra notar os dias que se passaram. Ta em inglês, mas vou resumir o contexto para você: os personagens na ultima cena do filme estão discutindo quão louco seria se eles fossem controlados por um cara que fica mexendo eles pra lá e pra cá, e que só de eles levantarem um braço deve dar um trabalhão, quem dirá dançar. A arte é algo maravilhoso não?


Tá agora que estamos muito bem situados e munidos de conhecimento sobre técnicas de animação, vamos ao Courgette (abobrinha em francês).
É importantíssimo dizer antes de tudo que o filme é contato do ponto de vista de crianças pequenas e a forma como elas assimilam as coisas. Os franceses tem uma visão artística muito crua e latente, sem papas na língua e isso é claro nessa obra.


Icare é uma criança de 9 anos - que prefere ser chamado de Courgette, pois é assim que a mãe o chama – que vive com sua mãe. O pai (o qual não temos muita certeza do paradeiro) é seu maior herói e Courgette o imagina com base nas opiniões da mãe, por exemplo: ele sempre desenha o pai com galinhas, pois sua mãe sempre diz que o pai dele gosta muito de “galinhas” IF YOU KNOW WHAT I MEAN.  A mãe de Courgette, após ser deixada pelo companheiro, começa a beber bastante e se torna um pouco violenta com o filho. Nesse momento Barras (o diretor) começa a nos mostra a sensibilidade e maturidade de Courgette em pequenos detalhes:  Courgette tenta se manter invisível à mãe para não incomoda-la, e junta as latas de cerveja para brincar em seu quarto, onde monta seu próprio mundo. Em dado momento a mãe irritada por chama-lo e não obter resposta sobe para seu quarto (que fica no sótão da casa) ameaçando bater em Courgette, com medo o garoto fecha a porta de acesso ao seu quarto que bate na cabeça da mãe, a mãe cai da escada e morre.


Sim, isso é uma animação europeia meus caros, não esperem menos. E mais, isso é um exemplo de que animação não é coisa de criança e sim mais uma ferramenta de problematização.
Após a morte da mãe, Courgette vai para um orfanato onde tenta se adaptar a um grupo de crianças de diferentes etnias e histórias. Uma das personagens teve a mãe deportada e como nasceu no país, deve esperar que a mãe retorne com um visto definitivo e leve a garota; outra é autista e seus pais se drogavam bastante na frente dela ; uma outra, Camille, viu o pai matar a mãe e depois se matar e a tia, que a maltrata, quer a sua guarda graças a uma quantia de dinheiro que ela irá receber.


Barras mostra neste filme um panorama da Europa contemporânea e as imigrações de diferentes povos, fala de abandono, do impacto das ações dos adultos na vida das crianças e ainda o modo como elas lidam para conseguir sobreviver com isso, compartilhando umas com as outras e buscando entender o que elas fizeram para que isso acontecesse. Courgette e os amigos tem uma necessidade de amor tão grande e profunda que me deu vontade de adotar todos eles, só pra que tudo ficasse bem.


O filme foi indicado ao OSCAR de 2017, não ganhou, mas era um dos meus favoritos e ganhou merecidamente o César de Melhor Filme de Animação.
Em um resumo, bem choroso, pois já estou com os olhos marejados e uma saudade no peito, Minha vida de abobrinha é um relato sensível, forte e formidável da vida, das relações humanas e do mundo visto aos olhos de uma criança que luta para manter seu direito de “criançar”.


Nota: 158962146323/10
TÁ DISPONÍVEL ONDE?!? Na internet e em DVD.


Essa animação recebeu MERECIDAMENTE o prêmio de mais alto escalão da animação do IAQ (Instituto Ana de Qualidade) o famosíssimo NÃO AGUENTO MAIS CHORAR DEUS AWARD.




SUPER DICA DA MC:  

Galera o Cineclube Darcy Ribeiro - São Paulo, em parceria com o Centro Acadêmico Florestan Fernandes da Escola de Sociologia e Política (CAFFESP), exibirá o filme “Moonlight: Sob a Luz do Luar” (2016), de Barry Jenkins. O evento ocorrerá no próximo sábado dia 08/04 à partir da 13h30 no 7º andar (Auditório) da FESPSP, com uma mesa de debate após a exibição. Confiram na página do facebook do CAFFESP.
Todos estão convidados para assistir, debater e refletir sobre este filme. EVENTO ABERTO E GRATUITO!



PS: Terá resenha desse filme feito dela Ana Beatriz SIIIM!!! Aguardem ;)


Nenhum comentário:

Postar um comentário