sexta-feira, outubro 27, 2017

Se Liga FaBCI – Reabertura do Curso de Administração em 2018 na FESPSP.



De certo você já deve ter visto a divulgação dos cursos da FESPSP (que, aliás, ficou bem legal né!), e percebeu um novo personagem que na verdade está voltando a compor o cenário: Sociologia, Biblioteconomia e Administração.

Isso mesmo, teremos a reabertura do Curso de Administração FESPSP que conta com o Prof.Dr. Douglas Murilo Siqueira na coordenação que traz o porquê fazer ADM na FESPSP?

Mais do que formar um Administrador, a FESPSP prepara Líderes para um novo tempo. Tempo de mudanças, tempo de incertezas, tempo de inovações, tempo de saber lidar com gente, tempo de Ser Humano com Humanos e gerar Resultados com Propósito.

Confiram mais sobre o curso no link: http://www.fespsp.org.br/curso/24/administracao 

Aguardem novidades e divulguem nossa ADM.

E agora fiquem com uma super reportagem gentilmente cedida pelo Profº Douglas (publicada no jornal Diário Popular), tratando sobre como deve ser a ADM contemporânea, muito pertinente para nossa área com relação à gestão dos Serviços de Informações. Aproveitem!

 
Se liguem na campanha "Indique Amigos" e conquiste descontos para os cursos da FESPSP em 2018. Mais informações em breve via Facebook.


 
 Empresas Humanizadas dão Lucro?


Ao contrário do que pode se pensar, a empresa considerada humanizada pertence ao capitalismo e vive em um mercado competitivo onde o retorno financeiro é garantia de sua sobrevivência. Mas então, o que difere este tipo de empresa das demais?  As organizações consideradas humanizadas fornecem um ambiente de trabalho mais democrático e justo e buscam promover uma qualidade de vida melhor para seus funcionários. Suas ações extrapolam as fronteiras da empresa e impactam positivamente nos familiares, na sociedade e no meio ambiente.   

São empresas que buscam o ENGAJAMENTO de suas pessoas ao redor de um PROPÓSITO que FAÇA SENTIDO para todos da organização.  Mas, que seria um propósito que tem a capacidade de unir e engajar as pessoas?   Em pesquisa realizada em uma indústria de 400 funcionários, pude presenciar o engajamento no brilho dos olhos das pessoas. O que unia todos é o SENTIDO do trabalho que faziam.  Produzem um dos componentes na fabricação de pneus, mas, para todos, não era somente mais um componente, mas algo que garante a segurança para alguma família que poderá utilizar o pneu que contém o produto por eles fabricado.

O engajamento vem principalmente do respeito que a empresa tem para com suas pessoas. Um dos entrevistados, de nível gerencial, não trocaria de empresa, mesmo com salário superior, pois “agora tenho vida e produzo muito mais, pois chego em casa sem estresse, meu filho e minha esposa sentiram a diferença... isso não tem preço”. 

E o lucro? Ele vem como CONSEQUENCIA DO ENGAJAMENTO. Prova está em várias organizações que atuam com propósito antes do lucro, cujo retorno para ao acionista é bem superior ao modelo do lucro pelo lucro. Empesas do “Sistema B” ou “Capitalismo Consciente”, percebem que Fazer o Bem, Faz Bem e Traz Bens. 

Neste contexto, o curso de Administração deve repensar sua matriz pedagógica a fim de dar foco na formação de um administrador com um olhar voltado não somente para o “lucro pelo lucro” mas que considere, de fato e não no discurso, o PROPÓSITO no lugar do “lucro”.  

Já comprovado que este tipo de administração traz um retorno para os acionistas e demais públicos impactados pela empresa maior e mais relevante. Importante ressaltar que as empresas que continuarem a tratar o tema somente no discurso, como quadros de “missão”, “visão” e “valores” pendurados nas paredes ou soltos nas mídias e intranets, não sairão do “mais do mesmo” e perderão talentos importantes, pois as pessoas talentosas hoje não buscam mais uma empresa somente para crescimento profissional, mas um lugar que lhes faça SENTIDO investir grande parte do tempo de sua vida, ou seja, que seu trabalho tenha um PROPÓSITO. Somente assim a organização ENGAJARÁ as pessoas e conquistará a sustentabilidade, seja social, ambiental e econômica.

Por fim, o modelo tradicional de ensino se mostra obsoleto na formação do novo perfil de administrador. O uso da Aprendizagem Baseada em Projetos é um caminho interessante, já que o aluno aprende fazendo e tem o professor no papel de “coach”. 

MC Traduções - Dia de Alfabetização Informacional 2017: usando a Alfabetização Informacional para restabelecer treinamento e informações nas bibliotecas acadêmicas e de pesquisa. Por Leonardo Ragacini.



E da série: MC Traduções, fiquem com mais uma ótima matéria traduzida do italiano e compartilhada pelo egresso da FaBCI e voluntário da MC, Leonardo Ragacini.  
Vejam:



Fonte: Pixabay.
 

AUTORES: Alina Rendiso, Laura Testoni, Valeria Marro, Stefania Puccini, Elena Scrima, Luisella Zocca.





1) Quais são as lacunas que encontramos nos estudantes? Quais são as nossas lacunas?
 Subgrupo liderado por Stefania Puccini 



Essa conversa não deve ser pensada como uma "crítica" para estudantes / usuários nem como uma autocrítica. Como é pensado então? Sabemos que a IL é um conjunto complexo de atividades que têm a ver com os fluxos afirmativos que fluem através de nós (estar ciente de sua necessidade de informação, procurá-lo, recuperá-lo, gerenciá-lo, avaliá-lo criticamente, usá-lo para se expressar de forma autoritária).

Em qual desses pontos (e em outros lugares: disseminação, compartilhamento, uso de ferramentas, etc.), vemos mais "pontos fracos" de nossos usuários? E da nossa parte? O treinamento da biblioteca de muitos de nós, focado nos artefatos (catálogos e ferramentas), nos ajuda a ler uma informação informativa que tende a ser onipresente e penetrante?

2) Qual é a nossa consciência?
Subgrupo liderado por Laura Testoni

A concepção contemporânea de IL não contempla tanto e apenas a aplicação de métodos de treinamento que rastreiam a capacidade e capacidade de "alcançar", mas sim a tentativa de desenvolver a consciência sobre a complexidade da informação não confiável. Dadas nossas lacunas e usuários, em que pensamos melhor trabalhar?
Em outras palavras, do que nos sentimos melhor, a partir de nossa experiência pessoal de bibliotecários acadêmicos, investir mais em melhorar nosso relacionamento com a informação?

Exemplo: tema da autoridade, ou: compreensão das informações de sua contextualização, ou: o valor da informação em um contexto aqui parece "livre", ou: o processo de busca em um contexto em que pareceria que "Em um clique" pode-se encontrar "tudo"; ou: conscientizar sobre propriedade intelectual – e plágio (etc., etc.).

3) Didática da pesquisa de documentos: quais são as atividades de laboratório?
Subgrupo liderado por Alina Rendition

Partindo da consciência de que a melhor maneira de aproximar os alunos dos principais temas da educação e documentá-los através da realização de atividades de laboratório de acordo com a forma de "aprender na prática", convidamos o grupo a discutir para identificar algumas das atividades da sala de aula eficaz para o ensino participativo e envolvente.
As considerações expressas nos subgrupos individuais agora seguem:

1) Quais são as lacunas que encontramos nos estudantes? Quais são as nossas lacunas?

(Dirigido por Stefania Puccini, Sintesi por Valeria Marro, Stefania Puccini, Elena Scrima)
O workshop contou com a participação de bibliotecários de várias universidades e instituições como o Instituto de Saúde de Roma e a Fundação "Giorgio Cini", em Veneza, lidando com vários campos disciplinares. O objetivo principal foi identificar analisar, comparar experiências e refletir sobre possíveis propostas para melhorar nossas estratégias e ajudar os usuários no relacionamento complexo com informações e os desafios atuais que a Alfabetização informacional nos coloca. A reunião abordou algumas das questões que levaram a um brainstorming coletivo.  

A restituição, sem qualquer pretensão de exaustão, tem como objetivo incentivar o compartilhamento e a participação em nossa comunidade profissional. Quem são nossos usuários? Esta foi a pergunta inicial que provocou e iniciou a discussão entre os participantes e permitiu rastrear um primeiro grupo de ideias do público que frequentava tradicionalmente uma Biblioteca Universitária ou um Instituto de Pesquisa.

Em uma primeira parte, classificamos os usuários em quatro "grupos de tipos" - estudantes, graduados, doutorandos, professores e pesquisadores -, dividindo cada classe em múltiplos tipos de usuários, caracterizados pelo seu nível de experiência, papel, hábitos e idade. Na categoria estudante, por exemplo, estudantes, estudantes matriculados em cursos de pós-graduação de três anos e ensino médio, estudantes estrangeiros, estudantes Erasmus, 150 horas de estudantes, estagiários e estudantes de inscrição única.

Os tipos de usuários são, portanto, muito heterogêneos com necessidades de informação, mais ou menos explícitas, que podem variar dependendo do contexto e da situação contingente. A necessidade informacional de um aluno que tem que estudar um assunto para estudar é, por exemplo, muito diferente da de um graduado que tem que desenvolver um projeto de pesquisa de tese. O que achamos são as lacunas de informação de nossos usuários? Esta segunda pergunta levou os participantes a se concentrarem nos problemas que os usuários encontrarão ao embarcar em um caminho de pesquisa mais consciente.
As reflexões resultantes da comparação foram relatadas em um segundo quadro (ver tabela), onde as lacunas percebidas pelos bibliotecários foram listadas em relação aos diferentes tipos de usuários. As necessidades de informação emergentes, às vezes desconhecem e, portanto, não são formuladas com clareza, abrangem todas as etapas do processo de pesquisa e são transversais a múltiplos tipos de usuários com diferentes níveis de diferenciação.

Quais são as nossas lacunas profissionais? A segunda fase do trabalho nos levou a questionar as nossas lacunas profissionais como mediadores / facilitadores da informação. Começamos por analisar os cursos na presença que normalmente tomamos para nos perguntar se respondemos às reais necessidades das informações dos usuários. A discussão destacou alguns problemas, como a tendência de entregar conteúdo pré-embalado e não qualificado para o usuário, ou projetar uma oferta de treinamento com objetivos ambiciosos ao longo do prazo disponível.

Não é possível fazer tudo em uma única sessão de treinamento, mas o ideal seria desenvolver e integrar sistematicamente várias ações de treinamento em diferentes níveis de estudo aprofundado durante o curso de estudo do aluno, como sugerido pelo Quadro 2015 da ACRL. É cada vez mais evidente que é impossível considerar-nos como os únicos atores da alfabetização da informação, mas é imperativo construir alianças e formas de colaboração com professores e alunos que são usuários e criadores. Neste contexto, a colaboração e o compartilhamento entre colegas, bem como a comparação e a reflexão sobre boas práticas na comunidade profissional, torna-se ainda mais importante.

É necessário adquirir novas habilidades, como as pedagógicas, para superar a lógica do ensino frontal tradicional a favor de um ensino mais construtivista que favoreça comparações, troca de pares, desenvolvimento de capacidade crítica e resolução de problemas. Nossos usuários têm uma bagagem que não conhecemos, mas que não podemos ignorar, pois com isso podemos encontrar alguns pontos de contato com sua experiência para motivá-los e apoiá-los na aprendizagem.

Daí surgiu à ideia de tentar remodelar unidades de aprendizagem com objetivos de aprendizagem segmentados e contextuais que se deslocam da dimensão experiencial do usuário.

É importante melhorar a aquisição de habilidades que podem ser realizadas não só durante o curso universitário, mas também no cotidiano, no trabalho, no desenvolvimento profissional e pessoal.

Ser uma informação alfabetizada é uma das condições prévias para a aprendizagem ao longo da vida e o direito à cidadania, a base da democracia. Outra lacuna é ser muito bíblico. Para nós, bibliotecários é natural ter como referência privilegiada os recursos disponibilizados pela Instituição: o catálogo, a descoberta ou a base de dados disciplinar, em oposição aos nossos usuários que possam ter hábitos diferentes. Muitos graduados, estudantes de doutorado, pesquisadores, por exemplo, preferem usar o Google Scholar. Como fazer isso errado, na medida em que pode atender às suas necessidades? O Google Scholar pode ser um excelente ponto de partida para comparar diferentes ferramentas de informação, avaliar diferenças, prós e contras e esclarecer que muitas vezes o conteúdo de texto completo é disponibilizado através das políticas de compras adotadas pelas diversas instituições.

Nosso ponto de vista, sempre centrado na biblioteca, também pode subestimar os canais alternativos que as comunidades profissionais criam e utilizam, bem como as ferramentas que promovem a visibilidade e compartilhamento de resultados de pesquisa, como as plataformas sociais Academia.edu e Research Gate especialmente frequentados por professores, pesquisadores e estudantes de doutorado.
Podemos mudar nosso ponto de vista? A comparação continuou tentando fazer um esforço de imaginação para nos ajudar com nossos usuários. Pensamos nos pós-graduandos em véspera da entrega da dissertação e que não possui experiência de pesquisa bibliográfica: ele está confuso, perdido e com pressa para concluir, não conhece ou usa a biblioteca um pouco, ele ainda não tem um assunto bem definido e começa a coletar informações sobre informações sem saber por onde começar.

Como atender às suas necessidades e interesses? Digamos que você use apenas o Google e a Wikipédia: em vez de demonizar essas ferramentas, podemos explorá-las para investigar seu modo de operação e usá-lo como um compromisso para dar-lhe alternativas mais efetivas. Não há soluções únicas, mas há muitas, cada uma com prós e contras. O objetivo é enriquecer a paisagem cognitiva do nosso usuário, retornando a complexidade do ecossistema de informações e fornecendo-lhes, ao mesmo tempo, alguns pontos de referência a serem usados de acordo com as necessidades do momento. Também tentamos apontar os problemas de outras categorias de usuários, desenvolvendo apenas parcialmente a discussão e adiando o estudo aprofundado por pouco tempo disponível.

Conclusões. O workshop nos ajudou a tomar consciência das nossas lacunas e a compreender o quanto essa conscientização é importante para impulsionar o treinamento contínuo e a autoconsciência para preencher as lacunas na alfabetização da informação. Mas quais são as oportunidades de treinamento para bibliotecários hoje? Quais são as habilidades necessárias? Devemos cultivar uma atitude que coloca "o" por que "no meio, em vez do" como fazer "...”.
Durante a conversa, destacou-se a necessidade de criar um currículo flexível e compartilhado a nível nacional que poderia ser um modelo de referência que seria adaptável aos objetivos específicos das várias instituições. Muitos sistemas de bibliotecas são limitados a atualizar cursos sobre novos lançamentos de software ou recursos de gerenciamento recentemente adquiridos.

A Associação das Bibliotecas Italianas desempenha um papel fundamental no treinamento e coordenação de novos projetos com outros parceiros, promovendo o diálogo contínuo dentro da nossa comunidade profissional.

Na tabela abaixo, as categorias de usuários são atribuídos números para simplificar sua identificação de acordo com a seguinte legenda:

Alunos e alunos = 1 graduados (3 anos de grau e mestrado) = 2 estudantes de doutorado = 3 Professores e pesquisadores = 4
  



2) Qual é a nossa consciência?
Liderado por Laura Testoni


A premissa do brainstorming é lembrada: não está a ponto de articular qualquer "crítica" sobre as atividades ou habilidades de conhecimento de estudantes e usuários de bibliotecas acadêmicas, em vez de entender quais são os "pontos de queda" ou os temas em que pode ser você pode trabalhar mais e melhor. Como natural, as observações emergentes que se seguem, em alguns casos, excedem o assunto do brainstorming, mas é, no entanto, considerado conveniente encaminha-las a outros grupos de trabalho.

Dos participantes observa-se que:

·         Há lacunas desde o reconhecimento pelos alunos dos principais objetos documentais: suborno, bibliografia, artigo: uma abordagem de sistema e uma abordagem universitária seriam necessárias.

·         O reconhecimento das fontes pelos alunos também é complexo, na medida em que os próprios professores propõem, no ensino e nos exercícios, objetos documentais descontentáveis, como a ligação a capítulos de livros ou documentos granulares.

·         Não há consciência de direitos autorais e, consequentemente, de práticas de plágio ("copiar e colar") que geralmente são praticadas naturalmente e sem estar ciente de uma atividade incorreta.

·         Não há consciência de que "a informação tem valor" e que nem tudo que está na internet é gratuito e utilizável.

·         Mais trabalho precisa ser feito na exibição de serviços de informação que a biblioteca oferece, por exemplo, melhorando páginas da web, que devem ser mais "explicativas" e, possivelmente, mais homogêneas entre os departamentos.

·         Os professores e bibliotecários precisam ser mais envolvidos, levando em conta suas competências, intensificando a presença de bibliotecas em plataformas de e-learning.

3) Didática da pesquisa de documentos: quais são as atividades de laboratório?
(Dirigido por Alina Rendio, síntese de Luisella Zocca)


A tarefa do terceiro subgrupo de bibliotecários acadêmicos e de pesquisa no IL-dia 2017 foi compartilhar e discutir a eficácia dos vários tipos de atividades didáticas e de laboratório realizadas pelo bibliotecário-treinador nas várias representações .

Os pressupostos comuns da discussão foram: a identificação do usuário, a escolha do modo de atividade, a definição dos objetivos a serem alcançados, o papel e habilidades do bibliotecário-treinador.

O usuário tradicionalmente entendido no contexto das bibliotecas acadêmicas é o aluno, que, no decorrer do curso, realizará atividades de treinamento diversificadas entre graduandos e graduados, estudantes de ciclo único ou de três ou mais anos até os cursos extremamente especializados em programas de doutorado, que incluem design diferenciado mais ou menos integrado em ambientes universitários (módulos básicos, módulos avançados, módulos especiais).

Para os arquivos de casos, a escolha do modo de entrega (MOOC, lições frontais, cursos de e-learning / atendimento, créditos com créditos, etc.) varia de acordo com a organização da estrutura: o uso de cursos abertos em ampla escala é preferida onde o sistema ou departamento da biblioteca reconheceu de alguma forma um valor formal do atendimento obrigatório, por exemplo, como pré-requisito para a licenciatura. O elevado número de alunos envolvidos necessariamente precisa avançar para o modo MOOC, otimizar as horas de treinamento e recursos humanos. Se você optar por usar uma plataforma de e-learning (por exemplo, Moodle), você pode validar o aprendizado através de testes finais mais perto é o número de participantes e / ou mais específicos e relacionados a um campo disciplinar específico é a atividade de treinamento mais que tende a usar a lição da frente, alternando com exercícios e atividades grupais.

As aulas em frente são a escolha mais comum quando o curso atribui créditos de treinamento e é conduzido por um assunto de biblioteca que trabalha em estreita colaboração com bibliotecas e estruturas departamentais. O efeito positivo e não secundário das redes de interação entre alunos e as estruturas acadêmicas não bibliotecárias é o fortalecimento do papel profissional e da figura do bibliotecário. Uma vez que na biblioteca não há julgamentos e a biblioteca não julga, os participantes prestaram atenção ao que se entende por avaliação.

Ao entrar no foco do tópico a ser discutido e relacionado ao problema da avaliação da aprendizagem, Alina Rendio ilustrou uma ferramenta usada em alguns cursos da Universidade de Bolonha, que considerou particularmente interessante. Em alguns laboratórios de pesquisa bibliográfica, os alunos são convidados a compilar o "diário de pesquisa" como a fase final de uma lição ou um ciclo de aulas: o aluno deve informar no jornal a questão de pesquisa, as palavras-chave utilizadas, as principais fontes consulte os dez melhores documentos considerados mais relevantes do que aqueles recuperados e três deles fornecem um resumo, mas acima de tudo descrevem a lógica que se seguiu em seu caminho de pesquisa. Como você pode ver, o processamento desta atividade implica um processo de autorreflexão sobre como você atuou.

Normalmente, as atividades da sala de aula são agrupadas e a edição do diário de pesquisa pode ser feita em grupos ou individualmente. O que pode ser interessante e útil no ensino é pedir ao aluno para ilustrar a lógica que ele seguiu e as dificuldades encontradas por toda a turma para estimular uma discussão coletiva, mostrando as possíveis alternativas ao caminho seguido.

Se você estiver interessado em explorar o uso desta ferramenta ou talvez explorá-la, você pode se referir ao Capítulo 5: A Metodologia Didática, as Diretrizes de Orientação da IL, publicadas pelo Grupo de Trabalho sobre Alfabetização informacional da Universidade de Bolonha usando um wiki acessível para pessoas de fora somente leitura. Foi apontado em várias ocasiões que "aprender" a metodologia da pesquisa de documentos, necessariamente passa por uma forma de aprendizagem experiencial, a partir da exploração de um caso concreto, para chegar, através de fases posteriores de conceituação, à definição da questão de pesquisas que nos guiarão na escolha das fontes e na seleção dos resultados relevantes.

A figura do bibliotecário-treinador foi outro dos tópicos discutidos. A transformação da figura de bibliotecário / referência de bibliotecário em bibliotecário-treinador é uma consequência do desenvolvimento do sistema universitário, a transformação da oferta de treinamento e a avaliação da pesquisa e, portanto, paralelamente à prestação de serviços nas bibliotecas acadêmicas.

Fora dos cursos de licenciatura em biblioteconomia e arquivos tradicionais, este curso de treinamento e às vezes autoeducação são realizados posteriormente com cursos dedicados a aqueles que já são bibliotecários de referência e apresentam predisposição particular ao papel. Esses presentes expressaram a necessidade de se tornar treinamento específico e aprendizagem ao longo da vida e receber uma nova e definitiva colocação do bibliotecário-treinador na expansão dos serviços das bibliotecas acadêmicas.