quarta-feira, março 28, 2018

Melhores Trabalhos Temáticos de 2017


Os trabalhos temáticos do 2º semestre de 2017, foram baseados na obra: "Suburbano Coração" de Nahum Alves de Souza. Pela avaliação dos professores da FaBCI, alguns trabalhos mereceram destaque, e além de serem exibidos os títulos e além de poderem ser lidos no site da FESP (role até embaixo da página e abra a guia "Trabalhos Temáticos", os autores escreveram um pouquinho sobre como foi o processo de escrita.

Fonte: Google Imagens


Confira os relatos a seguir.



Fernanda Nascimento



O meu tema do trabalho temático foi "A relação de amizade e rivalidade entre as personagens femininas de Suburbano Coração sob a perspectiva do feminismo e da sororidade". Tive a ideia durante a leitura, pois essas questões permeiam toda a obra. E, como é um assunto que muito me interessa e que eu nunca tinha estudado a fundo, resolvi trazer para o trabalho temático, unindo o útil ao agradável. Além disso, o feminismo e a sororidade são temas muito importantes e que devem ser discutidos sempre, tanto na literatura quanto na vida. Então foi bem interessante e divertido todo o processo de elaboração do trabalho.




Fernanda Nascimento - Arquivo pessoal

Ivoneide Teixeira
Meu Trabalho Temático é fruto de uma feliz coincidência.
Comecei o curso de Biblioteconomia, aqui na FESPSP, em 1999. Devido a uma gestação de risco, parei o curso no primeiro semestre de 2001. Em 2015, quando retornei, deparei-me com essa novidade curricular chamada de Trabalho Temático.

Ivoneide Teixeira - Arquivo pessoal

No primeiro semestre de 2015, fiz um Trabalho Temático com base na obra “O Alienista”, de Machado de Assis. Gostei desse desafio. Porém, não consegui fazer o Trabalho Temático do segundo semestre, pois adoeci e vi-me obrigada a trancar o curso novamente.
No segundo semestre de 2016, devido a conflitos de horários, também não foi possível fazer o meu segundo Trabalho Temático. Somente no segundo semestre de 2017 é que o consegui.
A feliz coincidência aconteceu pelo fato de, no segundo semestre de 2017, eu estar fazendo a disciplina de Produção Textual, com o Prof. Ivan Russeff, e a disciplina de Mediação da Informação, da Leitura e do Aprendizado, com a Profª Maria das Mercês Apóstolo.
Na disciplina de Mediação da Informação, da Leitura e do Aprendizado, a Profª Maria das Mercês Apóstolo apresentou o psicólogo Lev Vygotsky e seu estudo em torno da mediação. Enquanto isso, o Trabalho Temático devia ser desenvolvido tendo como base a peça “Suburbano Coração”, de Naum Alves de Souza, obra repleta de mediações. Daí, me veio a ideia de colocar lado a lado a mediação de Lev Vygotsky e a mediação de Rogério Rogers, personagem da peça “Suburbano Coração”, que é locutor de rádio e faz a mediação de encontro de casais.
No decorrer do Trabalho Temático, percebemos que a mediação de Rogério Rogers apresenta aspectos apontados por Lev Vygotsky e que os processos pelos quais a personagem Lovemar passou até chegar à mediação bem-sucedida de Rogério Rogers também estão presentes nos estudos de Lev Vygotsky.
Eu me surpreendi com o resultado. Os professores que avaliaram meu Trabalho Temático acharam a ideia interessante e espero que os colegas acadêmicos leiam esse trabalho e gostem também.



Luiz Augusto e Samanta Patrícia



Trabalho Temático realizado no 2° semestre de 2018, com base no livro “Suburbano Coração” de Naum Alves de Souza, foi uma verdadeira “prova” para nós. Contamos totalmente com o apoio dos professores, que nos nortearam nessa jornada.

No começo, posteriormente a leitura do livro, não tínhamos ideia de qual tema abordar, e após algumas aulas disponibilizadas para discussão do T. T.,  conseguimos encontrar um possível tema: apresentar o histórico e conceito do gênero Comédia de Costumes e como ele se aplicaria na obra estudada, e a partir do texto de Naum, tentar recriar como a sociedade carioca era na década de 80, neste momento descobrimos nosso interesse em comum e formamos a dupla.

Começamos a pesquisar, e logo surgiu mais uma dificuldade, não encontrávamos nenhum referencial teórico. Recorremos aos professores, que nos auxiliaram com alguns materiais, mas ainda assim estava muito difícil de elaborar o trabalho com argumentos concretos.

Com a data de entrega se aproximando, decidimos novamente pedir auxílio aos professores, em que o Ivan Russeff, nos propôs realizar um trabalho comparativo com a obra “Quem casa, quer casa” de Martins Pena, que era um tema inédito e seria interessante explorarmos o assunto.

Assim, após tantas dificuldades, conseguimos finalizar nosso trabalho. E só conseguimos essa conquista com o apoio de nossos docentes, além de muito esforço e dedicação.


Parabéns aos autores! Que sua vida acadêmica continue a trazer enormes sucessos!

Coluna: Garimpando na rede. Por Camilla Hatzlhoffer

Mais um Garimpando maravilhoso feito pela Camilla Hatzlhoffer! Vem ver quanta coisa maravilhosa ela encontrou na rede!



Olá, pessoas!

Mais um mês, mais um garimpando na rede. Neste mês, venho dividir com vocês links sobre filmes, novos lugares para se conhecer em São Paulo, um novo método de organização e muito mais. Venham conferir!



Fonte: Buzzfeed

Alguém já conhecia a “regra do um minuto?”. Nesta matéria, o Buzzfeed explica como funciona esta técnica para deixar o dia a dia mais organizado e otimizado.
Vale a pena tentar!



Fonte: Indiretas do Bem

Indicação de filme amorzinho que foi lançado este mês no cinema: Com amor, Simon <3 o:p="">
O blog Indiretas do Bem fez um relato, contando quais são as expectativas para este filme que promete fazer o público se emocionar. Já quero ir conferir!




Fonte: Buzzfeed

Esta história merece ser compartilhada! Pedro Mendes contou para o Buzzfeed como começou este sonho de ter uma livraria ambulante e como ele conseguiu fazer com que isso se tornasse realidade. Para saber mais, é só conferir a matéria.




Fonte: Google Imagens


Não é de hoje que a famosa saga de livros de J.K Rowling traz à tona aspectos da nossa vida atual. Nesta matéria, podemos perceber mais claramente onde isso está explícito nos livros e em nossa sociedade.



Fonte: Instagram

E para finalizar o Garimpando deste mês, venho trazer este guia turístico para as amantes de livro que moram em São Paulo.
Que tal tirar um tempinho deste feriado de sexta e ir conhecer um lugar novo nesta cidade maravilhosa?


Espero que tenham gostado dos links deste mês!

terça-feira, março 27, 2018

Coluna: Filme da Semana. Por Renato Reis



Saaalve, galera! Como estão?

Lá em 2017 e de volta outra vez, não iria abandonar essa coluna assim tão fácil. Então excluindo de vez a preguiça de domingo, batendo o glitter que sobra do Carnaval da roupa e da pele e a procrastinação nossa de cada dia, estou de volta com a Coluna Filme da Semana! :)

Esse ano o cinema PROMETE! Principalmente com relação a filmes que estão diretamente ligados a games da nossa geração (estou colocando todos os millenials no mesmo barco, ok?). Hollywood vai lançar Rampage (com o aclamado The Rock), Ready Player One (ok, é de um livro, mas tem muuuuitas referências de games, galera) e Tomb Raider recém-lançado nos cinemas; e eu, como nerd autêntico, já estou dando pulos de alegria! Gostos à parte, é bem provável que eu traga colunas sobre esses filmes aqui, farô?!
Então vamos nessa!

Nas minhas - amadas - férias da FaBCI, curti pouco, bem pouco - but gold - de cinema. Nesse pouco, fui ao cinema que tanto amo do CCSP, numa programação otaku de filmes. Consegui ver apenas o Nausicaä do Vale dos Ventos, um dos filmes de Hayao Miyazaki, que me impressionou bastante e que falo um pouco sobre ele para vocês. Espero que gostem.

Ótimo semestre a vocês todxs, lindxs!



Nausicaä do Vale dos Vento (1984)
Por Renato Reis

Para quem conhece os filmes de Hayao Miyazaki, do Studio Ghibli, não ficará muito surpreso com o poder de encantamento que esse tipo de produção é capaz de proporcionar. Em primeiro lugar, a fantasia, o universo do filme me impressionou demais! Existe toda uma atmosfera que traz mitos, criaturas e formações sociológicas que envolvem o espectador em toda sua magia.
O Vale dos Ventos é uma região, uma guilda agrícola de um mundo extenso (não consegui pegar as nomenclaturas, mas está tudo muito intrínseco ou subentendido no filme), dividido em diversas comunidades. É um vale onde o vento forte nunca cessa, o que traduz equilíbrio e harmonia àquele povo. Portanto, faz com que a terra seja sempre fértil e a vida seja mais capaz de se auto sustentar, bem como em outras regiões e suas respectivas condições.
 Nausicaä do Vale do Vento (1984), de Hayao Miyazaki


Pois bem, num mundo feliz e equilibrado da princesa Nausicaä (com a voz de Sumi Shimamoto), tudo é muito feliz e sua família é incrível, de uma nobreza bastante minimalista, até ela, com seu espírito tão livre, descobrir alterações no comportamento dos insetos gigantes do mundo todo. Sim! Existem insetos numa espécie de submundo que o equilibram, mantendo a harmonia na terra também. E Nausicaä já inicia o filme tentando compelir o avanço de um dos insetos gigantes (como esse da capa do filme), usando suas melhores armas: uma aeronave pessoal e a paz!

Nausicaä voando em seu aeroplano portátil, movido apenas a energia renovável e pelos ventos

Nausicaä tem uma inteligência ímpar e é realmente uma personagem muito livre e que transcende todas as ideias de entendimento do mundo e suas limitações. Ela ainda conta com o rei Jihl (com a voz de Mahito Tsujimura), experiente em zelar pelo Vale do Vento e muito bom em artes marciais e lutas com espadas, Asbel (Yôji Matsuda), um garoto mega aventureiro, meio atrapalhado e que acompanha Nausicaä em suas jornadas mais arriscadas, e o caricato mestre Mito (Ichirô Nagai). Todos eles e mais outros marcam sua importância na trama e deixam evidentes suas mais ricas e fortes  personalidades.
Fora as questões de política e mínima militaria que recheiam a história com bastante ação e entusiasmo, construindo uma trama muito inteligente e toda atmosférica com relação à magia e às lendas que estão sempre presentes nas histórias de Miyazaki. É de encher os olhos...
Nausicaä do Vale do Vento é brilhantemente emocionante de uma forma natural e tem uma fantasia que envolve quem o assiste, que fala - ou grita - pela arte de fazer cinema. É impossível desgrudar um minuto da tela, pois o filme realmente suga o espectador para dentro daquele mundo, daquele universo maravilhoso. Nós passamos a fazer parte da história e torcer pela princesa e por todos que visam o bem comum daquela comunidade. E por isso recomendo fortemente a todos, independente de gênero e/ou idade!

Aconteceu na FaBCI - Reunião da Monitoria 2018

No dia 23/03, a Monitoria teve (finalmente!) seu primeiro café!

Nele, a Monitora que vos escreve e alguns dos nossos os preciosíssimos Monitores Voluntários pudemos aproveitar um tempinho de descontração regado a salgadinhos deliciosos e café.

E claro... trabalhamos também! hehehe

Os queridos Gabriel Justino, Edi Fortini, Mariane Glavani, Renato Reis, Leonela Oliveira, Camilla Hatzlhoffer, Jaciara Oliveira, e eu, Marina Chagas, conversamos sobre mudanças aqui na Monitoria, e que em breve serão reveladas a vocês!


Gabriel Justino, Camilla Hatzlhoffer, Jaciara Oliveira, Leonela Oliveira, Marina Chagas, Renato Reis, Mariane Galvani.


Enquanto isso, se você tiver sugestões, ideias ou dúvidas, entre em contato conosco pelo e-mail: monitorcientificofabci@gmail.com

Fiquem ligados para as novidades que estão chegando!

quarta-feira, março 21, 2018

Aconteceu na FaBCI - Semana de Biblio 2018

A Semana de Biblioteconomia 2018 da FESPSP foi um sucesso! 

E se você não conseguiu em todas as palestras, fica tranquilo! A monitoria fez uma cobertura completa para vocês!

Agradecemos imensamente as contribuições de Sofia, Carol, Camilla, Marina, Fran, e Gabriel. Sem vocês essa matéria incrível não poderia ter sido realizada!

E parabéns ao CA do Borba, e muitíssimo obrigada por todo o trabalho! A palestras e assuntos cobertos foram incríveis!

Segunda-feira
Entre pórtico os, livros e pesquisa científica: experiências afetivo-bibliográficas na ALMA MATER STUDIORUM – UNIVERSITÀ DI BOLOGNA (Itália) – Prof. André Vieira de Freitas Araújo (UFRJ)

Fonte: FESPSP Comunica


A semana de biblioteconomia de 2018 abriu com a interessante palestra da Prof André Vieira, que através de slides com imagens lindíssimas da Itália, conseguiu transmitir o amor que ele tem pelo estudo da bibliografia e como uma experiência no exterior pode ser enriquecedora.

O professor pesquisador nos contou como construiu sua carreira acadêmica estudando bibliotecas monásticas desde a graduação, passando pela biblioteca do Mosteiro de São Bento e culminando no estudo aprofundado da bibliografia e a teoria de Gesner em Bologna. O Prof André conseguiu mostrar que é possível unir biblioteconomia e História social de maneira interessante e natural.

A palestra nos deu a oportunidade de conhecer outra faceta da biblioteconomia através do estudo aprofundado da bibliografia como disciplina, nos sendo apresentado o método de Conrad Gesner, um naturalista do renascimento que contribuiu com métodos de indexação. Pudemos também conhecer o Seminário Internacional “A Arte da Bibliografia”, que acontece todo ano em uma diferente cidade do país e reúne pesquisadores da área.

Os relatos sobre o processo de estudo no exterior também foram de grande ajuda para alunos que têm interesse de seguir carreira acadêmica, desde os pormenores burocráticos até as dificuldades de convivência sociais que podem ocorrer. Sempre de maneira positiva, pudermos perceber que a experiência que ele teve na Bologna foi de enorme importância não apenas acadêmica como de crescimento pessoal.

O caráter afetivo, como dito no título de sua palestra, foi o mais valioso da palestra, é contagiante conhecer um professor que consegue transmitir a vontade de pesquisar e estudar para os alunos, mostrar como a biblioteconomia é uma área ampla que pode transformar qualquer interesse natural do aluno em objeto de pesquisa. (Por Carol Dias)

EVENTO CRB – Theatro São Pedro

Foto: Retirada da página do Facebook da Carol Souza


Emocionante ver a união de tantas ilustres mentes em um mesmo encontro em homenagem ao dia do bibliotecário.

Com uma apresentação que englobou diversas formas de exposição da Informação, foram abordados tanto temas relacionados à realidade biblioteconômica de nosso Conselho Regional e Federal, quanto possíveis soluções aos desafios enfrentados com o avanço tecnológico e como o mesmo pode ser um aliado ao conhecimento e “filtro informacional” que o bibliotecário possui.

Com direito à um show de Paulo Freire na viola a encantar a todos na plateia do teatro, também tivemos um sorteio de livros e um coquetel ao final da noite, e posso dizer que a riqueza cultural deste encontro aguçou ainda mais as expectativas de uma aluna de primeiro semestre do Curso de Biblioteconomia e Ciência de Informação, tanto pela troca de conhecimentos quanto pelo ímpeto de mudança e inovação que cada indivíduo pode trazer e somar à área.

Finalizo meu relato com um vídeo cheio de poesia e encantamento (de minha parte) de Paulo Freire homenageando Inezita Barroso... (Por Sofia Biella)

Veja aqui o vídeo que a Sofia fez.




Terça-feira
Ação cultural em bibliotecas: um olhar sobre a prática – Dolores Biruel


Fonte: FESPSP Comunica


Primeiramente, gostaria de dizer que participar da organização dessa Semana dedicada à pensar a nossa área de atuação foi um desafio muito gostoso, estar em contato com nomes de pessoas tão bem conceituadas e grandiosas me inspirou muito e poder acompanhar todas as fases do evento, vê-lo nascer de uma ideia do C.A e ser construído junto com a Coordenação e o corpo Docente da FESPSP e vê-lo acontecer com os alunos presentes, interessados e recebendo também nosso público de fora da faculdade, ressaltando aqui a grande participação dos alunos da ETEC Parque da Juventude, foi muito gratificante. Além disso, toda essa troca de conhecimento fornecida em todos os encontros e por todos os profissionais agregou um valor imenso à nossa formação.

 Especificamente sobre a terça-feira 13/03 de manhã, Dolores Biruel, formada pela FESPSP e atuante durante tanto tempo na área cultural, apresentou-nos um panorama de projetos por ela realizados, em diferentes equipamentos da cidade de São Paulo bastante conhecidos, as Fábricas de Cultura e o Centro Cultural da Juventude.

Localizado na Vila Nova Cachoerinha, o CCJ é um equipamento diferente, que além de espaços diversos para a programação cultural como os Teatros, Laboratórios de pesquisa e áreas de convivência, compartilha seu espaço com a Biblioteca Pública Jaime Cortez, local onde a palestrante atuou durante alguns anos, realizando e criando projetos que existem até hoje, criando, assim um legado no local. Um exemplo bastante interessante que foi citado na palestra foi o projeto CCJ Visita, que leva frequentadores do Centro Cultural a lugares da cidade de São Paulo e interior, como Paranapiacaba, Templo Zu Lai, Pinacoteca entre outros.

            
A fala da Dolores me encantou muito, por já ter uma relação afetiva com o CCJ, lá foi onde dei o pontapé inicial em direção à biblioteconomia, pois foi nesse lugar que tive minha primeira experiência com biblioteca, dessa forma, consegui enxergar muitas ações que partiram dela e reverberaram, projetos que deram bons frutos e que tive o privilégio de acompanhar quando estava lá, mesmo anos depois de sua saída.


Biblioteca Prisional: promovendo cidadania, oportunizando a inclusão e atuando como laboratório na remição de pena – Catia Lindemann (FEBAB)

Fonte: FESPSP Comunica


Sem dúvida, uma das palestras que mais se conectou emocionalmente com o público.
Iniciando sua fala com o vídeo “No one stays behind, a palestrante mostrou como os objetivos da agenda 2030 se relacionam de maneira direta com a biblioteca no cárcere, e como sua existência é estabelecida por lei, e não assistêncialismo.

Revelando que ela entrou para a biblioteconomia a partir do sonho de montar uma biblioteca prisional, Catia mostrou em sua apresentação que a Monitoria Científica da FaBCI foi o primeiro espaço que lhe permitiu contar um pouco do seu trabalho e que lhe deu um empurrão para ter melhor visibilidade. Veja a matéria de 2013 em: http://monitoriafabci.blogspot.com.br/2013/05/bibliotecas-em-presidios-vencendo-o.html.

Entre suas inspirações está o livro Memórias de Um Sobrevivente de Luiz Alberto Mendes, um ex-detento que escreveu suas memórias da prisão, e como a literatura fez total diferença em sua vida.

Dentre lindos e emocionantes relatos das mudanças e conversas com os presos na biblioteca, destacaram-se a forma como o sentimento de pertencimento para com o espaço fez total diferença para que o projeto funcionasse, e o papel fundamental que a técnica biblioteconômica deve ser dominada para que o trabalho social seja feito.

Como resultado dos trabalhos da palestrante, ressaltamos o livro de autoria dos presos, que foi vencedor de um edital de literatura prisional, nomeado “Vozes de um tempo”, e a criação da primeira Comissão Brasileira de Bibliotecas Prisionais (CBBP).

Para saber mais sobre os projetos da Biblioteconomia Social, conforme nomeado pela Catia, visite o seu blog: https://biblioteconomiasocial.blogspot.com.br/. (Por Marina Chagas)


Quarta-feira
Programa Especial – Gabriel Justino e Rebecca

Fonte: Fonte: FESPSP Comunica


Para a Programação especial, pedimos ao Gabriel, que fez uma das palestras, dar um relato para nós.

O ano de 2018 chegou e com eles algumas mudanças com relação ao ano anterior, eu formado e não mais organizando a semana de biblioteconomia, como havia feito em 2017. Esse ano trouxe uma nova perspectiva, coincidência, pois foi o tema de 2017 na semana de biblio, a convite da Professora Maria Rosa, acabei palestrando, após a Rebecca, acerca do meu TCC. Fiquei um pouco nervoso é claro, mas nada em comparação ao dia da apresentação para a banca. 

Consegui transcorrer sobre a construção da imagem do bibliotecário sem problemas, explanando o tema perpassando pelo alicerce da semiótica Peirciana, trazendo os signos, objetos e interpretantes e como os signos ajudam a formular a imagem do profissional na mente dos leitores da saga Beautiful Creatures e série televisiva Castelo Rá-Tim-Bum (que foram as sagas utilizadas no meu TCC). 

Falar sobre a imagem do bibliotecário, me inquieta, sei que é uma imagem por vezes, deturpada, com a apresentação de estereótipos ou um esboço do perfil, que nos leva a uma senhora carrancuda de coque, que usa óculos e adora fazer shh, mas que precisa ser mudada, algo que como recém-formado, almejo conseguir, mostrando que um bibliotecário é muito além de um guardião, que ele é um profissional primordial para ajudar a sociedade nos tempos atuais, no qual a informação está em tudo quanto é lugar e num volume imenso, e ele pode ajudar a tratar essa informação e filtrá-la de modo, que esteja organizada e apta para que esteja ao alcance de todos, em outras palavras, o bibliotecário é e continua sendo o profissional do futuro que tanto a sociedade almeja e ainda não sabe que necessita dele. (Por Gabriel Justino)

Biblioterapia  - Inteligência emocional por meio da leitura - Priscila Andrade

Fonte: FESPSP Comunica


Na noite do dia 14/03/2018, tivemos a presença da palestrante Priscila Andrade que nos brindou com uma palestra ilustrativa e encantadora sobre Biblioterapia.

Ela compartilhou sua experiência com esta área de atuação que pode ser seguida por bibliotecários, contando como foram algumas sessões de Biblioterapia com os mais diversos públicos: moradores de ruas, crianças e adolescentes, entre outros.

Além disso, Priscila mostrou alguns livros que são utilizados em suas sessões e estes, em sua maioria, são livros infanto-juvenis, com histórias ilustradas e com poucas palavras, mas com grandes significados que podem ser usados para ajudar pessoas que estejam passando por qualquer tipo de dificuldade emocional.

Ao final da palestra, nós fomos convidados a participar de uma roda de Biblioterapia: Priscila nos contou uma história e nos levou a refletir sobre a vida, refletindo a magia que a biblioterapia pode nos proporcionar ao nos fazer encontrar os sentimentos e pensar em uma forma de contornar nossas dificuldades.

Ao final, ocorreu a rodada de perguntas para a convidada. (Por Camilla Hatzlhoffer)


Quinta-feira

Aplicação da portaria 1.224 para organização de arquivo acadêmico em instituições de ensino superior e escolares – Ivani Delamare

Fonte: FESPSP Comunica


Ao falar sobre a portaria, a palestrante explicou:  "A portaria é complexa porque tudo que trata da gestão documental tem uma complexidade. Então, quando eu entendo a essência, facilmente me livro do que não é essencial, o que facilita a compreensão”. Ressaltando as fases dos processos e atividades que envolvem um arquivo, ela completou: “Para cada fase da portaria, para todos os pontos, haverá a necessidade de um planejamento. Estou trazendo essas informações para que vocês saibam o que vai acontecer e possam se preparar para atuar neste mercado, que é muito grande e precisará de pessoas prontas para ele”.

Tais comentários nos ajudaram a ver as demais atuações dos bibliotecários fora de um ambiente de biblioteca, e principalmente, o quanto as portarias influenciam em todo um procedimento de trabalho. (Por Marina Chagas)


Agenda 2030: as bibliotecas como parceiras estratégicas para o cumprimento dos ODS – Adriana Cybele Ferrari (FEBAB)


Fonte: FESPSP Comunica

No quarto dia de palestras da Semana de Biblioteconomia 2018, a convidada foi Adriana Ferrari, presidente da Febab, que veio conduzir uma conversa sobre a Agenda 2030 e como as bibliotecas podem ajudar na concretização de todos os objetivos acertados pela ONU, cuja previsão de cumprimento é 2030.

Adriana iniciou a palestra contextualizando a Agenda 2030, explicando como foi o processo até a definição dos objetivos e sua divulgação para todos os países. Com isso, tivemos uma base para entender como as bibliotecas foram incluídas neste contexto.
Em seguida, cada objetivo foi exemplificado com a exposição de projetos já realizados por algumas bibliotecas espalhadas pelos estados brasileiros, ilustrando a importância delas e como as mesmas podem ser usadas para a melhoria e o cumprimento das metas da Agenda 2030.

A palestra foi encerrada com uma rodada de perguntas para a palestrante (Por Camilla Hatzlhoffer)


Sexta-feira
Cultura de inovação, abordagem do design thinking: a experiência da biblioteca Telles do INSPER – Vanessa Melo de Carvalho e Ricardo Rodrigues Ramos

Fonte: FESPSP Comunica


A experiência da Biblioteca Telles do Insper  em aplicar o design  thinking,  que a meu ver era mais um conceito com grandes custos e nada funcional,  me fez repensar que é possível modificar  o ambiente de trabalho com pequenas iniciativas e a colaboração em conjunto tantos dos funcionários como dos usuários. (Por Francislaine Soriani)

O bibliotecário do século XXI: como ser e estar contemporâneo – Laura Pimentel

Fonte: Página do Facebook da Laura Pimentel


A professora Laura Pimentel – que dá aula na pós-graduação da FESPSP - deixou claro o seguinte: “Ser contemporâneo é ser inovador, e ser contemporâneo, nem sempre está associado com tecnologia”.

A sua inovação vem sobre falar de User Experience, um processo no qual a experiência do usuário é analisada, criada, e validada. Para tal, é necessário ter um problema e tentar chegar a uma solução ideal, que dependerá do tipo de público, e quais as ideias e caminhos percorridos pelo profissional até que o resultado satisfatório seja obtido.

Para saber mais sobre o assunto, a palestrante indicou as obras: “Design Thinking para bibliotecas” – da IDEO, e “O design do dia-a-dia” do Donald Norman. (Por Marina Chagas)

Aconteceu na FaBCI - Colação de grau da turma de 2015.


A colação de grau da galera que começou o curso em 2015, uma das maiores turmas a se formar, foi feita no auditório da FESP, no sábado, dia 10 de março.

Fonte: FESPSP Comunica


A comemoração foi repleta de momentos emocionantes e engraçados, entre eles envolvendo a oradora da turma, a Carol Souza, que deu um depoimento para nós sobre como foi ser oradora dessa galera. Confira!

Fonte: FESPSP Comunica


Quando saiu o resultado da votação para oradores da turma, fiquei muito feliz, mas pensei: e agora José??
Um misto de ansiedade tomou conta do meu ser. Confesso que até tentei recorrer ao Google para auxiliar na preparação do discurso, mas percebi que nem mesmo toda a rede mundial de computadores seria capaz de descrever tudo que vivemos e o que viveríamos aquela noite.  


Sendo assim decidi me levar pelas palavras da alma e pelos momentos vividos na faculdade. Confesso também que demorei muito tempo para escrever tal discurso, mas depois descobri que o motivo era minha resistência, resistência em escrever uma fala que diria adeus ao nosso tempo de faculdade. 

Fonte: FESPSP Comunica

No fim, nada daquilo que estava no papel amassado, foi dito hahahahahah. Lembro de ter olhado para a galera, e um filme passou na minha cabeça, então, só deixei rolar. Eu não podia estender muito pois o tempo era curto e queria passar o vídeo que havia preparado, pois mesmo com todas as dificuldades enfrentadas para alcançarmos tal objetivo, tivemos momentos incríveis, de cumplicidade e muitas risadas. O vídeo mostrava exatamente isso. Foi uma experiência fantástica e eu só tenho a agradecer até aqui. 



Para ver o vídeo apresentado, clique aqui



Parabéns aos novos bibliotecários! Que vocês tenham uma carreira de sucesso!