quarta-feira, março 13, 2019

Entrevista com os novos docentes da FaBCI: Angela e Wellington

As novidades não param de chegar em 2019! Esse ano promete aqui na FaBCI e na Monitoria. =D

Temos dois novos professores na graduação: Angela Claro e Wellington Rodrigues. Isso mesmo, o mesmo Wellington que semana passada nos deu aquele lindo depoimento sobre ser o primeiro Monitor Científico retorna à casa agora como professor da graduação.

Fotos: Arquivo pessoal


A Monitoria conversou com os dois novos docentes e você pode ler aqui abaixo.
A Angela trabalhará com a disciplina de Normalização Documentária no primeiro semestre e o Wellington trabalhará com duas disciplinas (Fundamentos de Tecnologia da Informação e Comunicação para o primeiro semestre e Gestão de Conteúdos Digitais para o quinto semestre):



Entrevista com Angela Claro

Foto: Arquivo pessoal


Em algumas palavras, apresente-se aos leitores da MC: "Quem é Angela"?

A Angela é uma pessoa simples, comprometida com sua profissão, que ama aprender, e muito disposta a compartilhar seus conhecimentos 

Por qual motivo escolheu Biblioteconomia? Foi sua primeira opção?

Escolhi a Biblioteconomia pois queria uma profissão diferente das mais tradicionais, como Direito, Medicina e Engenharia. Queria algo que agregasse meus interesses nas áreas de Humanidades, e que me desse possibilidades de empregabilidade. Depois que eu descobri que existia a Biblioteconomia ela se tornou minha primeira escolha. Antes de saber sobre ela, eu pensava em fazer História. 
       
Nos conte um pouco de seu caminho acadêmico.

Eu fiz minha graduação em Biblioteconomia na UNESP de Marília, e me formei em 2010. Nessa etapa ingressei na pesquisa científica, atuando na Linha de Informação e Tecnologia, estudando os aspectos sociais e culturais das tecnologias da informação e comunicação, em especial os temas relacionados à inteligência coletiva no contexto digital. Logo após, em 2011, ingressei no Mestrado em Ciência da Informação na mesma instituição, dando continuidade aos estudos da iniciação científica. De 2014 a 2018 desenvolvi minha pesquisa de Doutorado em Ciência da Informação, também na UNESP de Marília, aprofundando ainda mais os estudos em inteligência coletiva. 

E profissionalmente, qual o trajeto percorrido e o atual?

Sempre atuei em bibliotecas que atendiam o segmento técnico e tecnológico. Primeiramente do SENAI-SP, e agora no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP), onde estou desde 2013. Atualmente, estou na Pró-Reitoria de Ensino do IFSP, sendo meu principal enfoque de trabalho o acompanhamento do funcionamento sistêmico das bibliotecas dos campus do IFSP através do provimento de recursos informacionais e de tecnologias da informação e comunicação para as bibliotecas da rede. 

Quais suas expectativas ao integrar o corpo docente da FaBCI?

As minhas expectativas são muito positivas. A FESPSP é referência no ensino de Biblioteconomia no país, e a qualidade dos profissionais que ela forma mostra o comprometimento e engajamento do seu corpo docente. Espero poder contribuir com esse time, e também aprender muito com os colegas.

Agora no início, vocês darão quais disciplinas?

Nesse primeiro semestre trabalharei com a disciplina de Normalização Documentária. 

De acordo com sua visão, qual o panorama atual da Biblioteconomia e desafio futuros?

Percebo que a Biblioteconomia tem caminhado para a consolidação da incorporação de novos instrumentos de trabalho - metodologias e ferramentas atualizadas para o lidar com as questões da representação da informação de forma a atender o contexto social dinâmico que essas informações tem se apresentado. Entendo que o desafio do futuro, que já é o agora, é a atuação consistente e sistemática da Ciência da Informação e da Biblioteconomia no contexto do quarto paradigma da ciência - a e-Science -, a fim de, pelo escopo dessas áreas, contribuir com a coleta, o tratamento, o armazenamento e a padronização de dados, indispensáveis ao gerenciamento e compartilhamento de dados científicos primários.  





Entrevista com Wellington Rodrigues


Foto: Divulgação pessoal


Em algumas palavras, apresente-se aos leitores da MC: "Quem é Wellington"?

Eu sou um cara tranquilo, gosto bastante da área de biblio e de tecnologia. Nasci e fui criado na periferia da zona norte de São Paulo, um dos primeiros da família a fazer a graduação e pós. Tenho duas filhas (Tatiana e a Janaina). Além de me interessar muito sobre cultura e ser praticante de religiões de matriz africana.

Por qual motivo escolheu Biblioteconomia? Foi sua primeira opção?

Antes de ingressar na graduação, eu fiz, em 2002, o curso técnico em biblioteconomia no Senac. Depois de cinco anos, atuando em diversos projetos e profissões, acabei ingressando na FESPSP. Nunca tive dúvidas em seguir na graduação em Biblio.  

Nos conte um pouco de seu caminho acadêmico.

Me formei na graduação em Biblioteconomia no ano de 2011. Tive a felicidade de publicar meu TCC na Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, no ano de 2012, em parceira com a Profa. Valéria Valls e a Profa. Carla Dieguez. Em 2013, concluí uma pós graduação em Gestão Web no Senac. Lá tive muito contato com profissionais e professores de TI que me ajudaram a compreender alguns aspectos desta área de atuação. Atualmente, estou cursando uma pós graduação em Formação Pedagógica para a Educação Profissional pelo Centro Paula Souza. Também está sendo muito bom este contato com técnicas e metodologias voltadas à área de educação.

E profissionalmente, qual o trajeto percorrido e o atual?

Antes da graduação, atuei em projetos voluntários em bibliotecas escolares. Depois do curso técnico, trabalhei em uma biblioteca de lazer na AABB (localizada na zona sul de São Paulo). Durante a graduação fiz estágio em uma biblioteca universitária e ainda no primeiro ano da graduação ingressei em um arquivo jurídico. Durante a minha formação, atuei no Arquivo e depois na área de Gestão do Conhecimento por uns 10 anos. Foi um período de grande aprendizado e contato com grandes profissionais e experiências em projetos em parceria com a TI. Posso dizer que foi uma grande escola, onde aprendi uma boa parte do que sei sobre Tecnologia. Nos últimos dois anos, fui docente no curso técnico em biblioteca na Etec Parque da Juventude, onde conheci pessoas muito bacanas e pude confirmar que o contato com a sala de aula me faz muito bem. E neste semestre estou ingressando no corpo docente da FaBCI.

Quais suas expectativas ao integrar o corpo docente da FaBCI?

São as melhores possíveis, quero contribuir da melhor forma com os alunos, coordenação, corpo docente e instituição. Quem me conhece há mais tempo, sabe que eu sempre tive por objetivo ingressar na docência. Eu sempre vi (e ainda vejo), que é uma boa forma de ajudar as pessoas. Daqui para frente é por em prática os conhecimentos que adquiri até este momento e sempre buscar novos aprendizados para colocar em prática na sala de aula.

Agora no início, vocês darão quais disciplinas?

No primeiro semestre estou com Fundamentos de Tecnologia da Informação e Comunicação, abordando os aspectos introdutórios da Tecnologia e iniciando com os alunos esta caminhada na trilha de TI da FaBCI. E no quinto semestre estou com Gestão de Conteúdos Digitais onde abordamos aspectos introdutórios de Arquitetura da Informação e análise de sites, contribuindo assim com o pessoal que já teve contato com algumas disciplinas de nossa trilha de TI e estão indo para a reta final na graduação.

De acordo com sua visão, qual o panorama atual da Biblioteconomia e desafio futuros?

Creio que a Biblioteconomia tem conseguido preencher espaços que antes eram pouco explorados por alguns profissionais. Que também não deixaram de lado as áreas de atuação mais "tradicionais" que vem passando por algumas mudanças que não as fazem perder a sua essência e papel dentro de uma instituição ou mesmo da sociedade. Acredito que o grande desafio é continuar avançando para saber melhor como aproveitar os recursos tecnológicos disponíveis e mostrar que possuímos grande capacidade de contribuir em análise e gestão de dados e informações. Acredito também que devemos estudar e avançar em direção à área de Governança de dados e segurança da informação. Ainda temos muito o que fazer e aprender, mas não podemos perder de vista estas áreas e nos preparar para contribuir da melhor forma.

MC Traduções - 13 motivos pelos quais as bibliotecas nos mantêm unidos

A nossa querida ex-monitora Marina Chagas felizmente continuará aqui colaborando com a MC e  com essa coluna deliciosa que é a MC Traduções.

Dessa vez, leiam a tradução de um artigo publicado originalmente pela Tiffany King, escritora. 

O texto abaixo foi editado, e o link da tradução completa e do texto original são fornecidos mais abaixo.


13 motivos pelos quais as bibliotecas nos mantêm unidos
Tiffany King, autora de Eat at Home Tonight, argumenta por que as bibliotecas são relevantes e, mais principalmente, sua importância.
POR TIFFANY KING
Traduzido por Marina Chagas Oliveira
Link original: https://www.readitforward.com/authors/13-reasons-why-libraries-are-important/?fbclid=IwAR2hqNFaGWjChOKc0l2bqxSMeeQxp_lZ0bXrDrCnWbiC1iL1M0Nm6vIu-5o


Imagem: Johann Knox
-->

A biblioteca tem sido um dos meus lugares favoritos no mundo desde que me sentei de pernas cruzadas no chão, passando páginas e páginas de livros ilustrados no departamento infantil da Biblioteca Morrison-Reeves. Meu sonho de escrever um livro nasceu na biblioteca. Outro dia, alguém compartilhou comigo que sua biblioteca havia encomendado meu livro de receitas, Eat at Home Tonight , e fiquei tão empolgada em saber que ele terá espaço na estante da biblioteca!

Não são apenas os livros da biblioteca que foram importantes em minha vida, mas o próprio lugar tem significado para mim. Eu conheci vários dos meus bons amigos pela primeira vez na biblioteca. Meus filhos conheceram pessoas interessantes e aprenderam sobre todos os tipos de assuntos através de programas de bibliotecas. Durante a programação de verão, meus filhos e seus amigos puderam ver de perto os pássaros selvagens, confeccionar papel manualmente, fazer tie-dye e muito mais. As bibliotecas oferecem um local para as comunidades se reunirem e crescerem.

Em essência, as bibliotecas estão realmente nos mantendo unidos de maneiras que costumamos dar como garantidas.

1. Bibliotecas são prédios físicos reais onde podemos encontrar pessoas reais cara-a-cara, e segurar livros em nossas mãos. Como vamos à biblioteca com frequência, muitas vezes vemos as mesmas pessoas, permitindo que as amizades cresçam.

2. Bibliotecários e frequentadores de bibliotecas fazem mais para promover o amor pela leitura do que qualquer outro grupo de pessoas. Mais crianças se apaixonam por livros e ideias em bibliotecas do que em qualquer outro lugar do mundo. Os livros trazem simultaneamente conforto, segurança, aventura e franqueza para crianças e adultos.

3. Você pode aprender quase tudo por meio da biblioteca. De cursos de informática a acesso ao Lynda.com, a aulas de língua estrangeira e nacional, sua biblioteca local oferece muito para a comunidade.

4. Divertir-se não é difícil quando você tem um cartão de biblioteca. (Bônus para você se souber que o personagem que disse isso está em um livro ilustrado. *)


6. Em nenhum outro lugar da vida você é encorajado a pegar o máximo que puder, mas você pode sair da biblioteca sobrecarregado por sacolas de livros cheias, ou lutando para enxergar onde vai por causa da torre de livros equilibrados em seus braços. Este é o melhor tipo de indulgência.

7. Programas de biblioteca, como a hora da história, os clubes do livro, as aulas e mais, promovem amizades verdadeiras entre as pessoas. Os programas Book Buddies para adultos em casa e programas comunitários em casas de repouso e de assistência, trazem benefícios de biblioteca (e conexão humana) para aqueles que não podem mais sair.

8. Como não há nenhuma obrigação de comprar ou armazenar os livros, os usuários da biblioteca estão livres para explorar qualquer assunto ou autor que os agrade. É improvável que eu compre um livro sobre cultivo de cogumelos ou arte moderna ou como construir um deck, mas ficaria feliz em ler sobre isso na biblioteca.

9. O sistema Decimal de Dewey traz uma ordem ao mundo que nos inspira a também ordenar nossas vidas. Ok, talvez seja um exagero, mas há algo adorável em categorizar todos os tópicos do mundo em um sistema nitidamente numerado.

10. A seção de biografias é cheia de lições de vida que podemos aplicar, tanto sobre o que fazer, como o que não fazer para alcançar sucesso e felicidade.


12. Assinar o seu nome para o seu primeiro cartão de biblioteca é o primeiro rito de passagem em ser um membro ativo da sociedade.

13. As bibliotecas armazenam história, artefatos e memoria local, além de serem um recurso para as atividades da comunidade.
 
As bibliotecas são as heroínas desconhecidas de nossas comunidades. Todo mundo que faz parte da criação de bibliotecas também está tornando o mundo um lugar melhor. Carregue com você (e use) seu cartão de biblioteca com orgulho!

 * Arthur, da série de Marc Brown
-->

-->

Acontece nos próximos meses: Eventos com docentes da FaBCI na FEBAB

Nos próximos meses, a FEBAB disponibilizará uma série de eventos imperdíveis, que contarão com oficinas e rodas de conversa trazendo uma temática atual e inovadora, com valores acessíveis, que serão ministradas por docentes da Fespsp de forma voluntária.


Fonte: Site Febab

Confira aqui o calendário:


MARÇO DE 2019

Roda de Conversa: Bibliotecas e suas comunidades: a experiência dos makerspaces

Roda de conversa sobre o Movimento Maker, contextualizando o movimento e conectando a biblioteca, com o objetivo de impulsionar sua aproximação com a comunidade a qual atende; Panorama de experiências internacionais e nacionais e apresentação de ações para impulsionar nossas bibliotecas, incluindo troca de experiências.

Quando:
30/03/19 – das 9h às 13h

Onde:
FEBAB – São Paulo - Rua Avanhandava, n. 40.

Valores e links para pagamento:
Não-associados: R$180,00
Associados: R$125,00
Alunos de graduação: R$90,00

Facilitadora: Profa. Dra. Valéria Valls
Doutorado e Mestrado em Ciências da Comunicação e Graduação em Biblioteconomia e Documentação pela ECA/USP, além de extensão universitária em Docência pela FGV. Diretora da Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FaBCI/FESPSP), Coordenadora acadêmica e docente do curso de graduação em Biblioteconomia e Ciência da Informação e Docente de pós-graduação do Núcleo de Ciência da Informação (FaBCI/FESPSP). Docente do MBA em Gestão Empresarial e Coaching (parceria FESPSP e SLAC). Coordenadora da Região São Paulo (Gestão 2016-2018) da ABECIN - Associação Brasileira de Educação em Ciência da Informação. Membro do Conselho de Administração da SP Leituras - Associação Paulista de Bibliotecas e Leitura. Consultora associada em projetos ligados à gestão da qualidade, informação e conhecimento, além de atuar como palestrante nesses temas.
-->


ABRIL DE 2019

Oficina: Arquitetura de Informação: acesso rápido à informação

Informação só faz sentido quando é útil para quem precisa. Para possibilitar isso são criadas estruturas e formas de acesso através de arquiteturas de informação expressas em taxonomias, gerando equivalência entre as informações e as linguagens das pessoas. Esse laboratório de vocabulário controlado e arquitetura de informação pretende repassar aos participantes um entendimento básico de definição de controle de vocabulário, arquitetura de informação, taxonomia e organização da informação, os vários tipos de vocabularios controlados e seus usos em ambientes digitais, além de apresentar formas de estruturação de um tesauro, através da aplicação de etapas e das melhores práticas de normas internacionais.

Quando:
06/04/19 – das 9h às 13h

Onde:
FEBAB – São Paulo - Rua Avanhandava, n. 40.

Valores e links para pagamento:
Não-associados: R$180,00
Associados: R$125,00
Alunos de graduação: R$90,00

Facilitador: Prof. Me. Charlley Luz
Consultor em estratégia de transformação digital e portais corporativos da Feed Consultoria. Professor da pós-graduação em Gestão Arquivística e de Gestão da Informação Digital da FESPSP. Professor de Arquitetrua da Informação e UX da ESPM. Bacharel em Arquivologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS e Mestre em Ciência da Informação pela ECA-USP. É autor dos livros Arquivologia 2.0: a informação humana digital e Primitivos Digitais. 

Oficina: Classificação Decimal Universal (CDU): como entender e utilizar a 2a Edição Padrão Internacional

Apresentação da Classificação Decimal Universal: estrutura, função e uso. Manuseio com as tabelas da CDU, volumes 1 e 2. Atividades com as tabelas auxiliares comuns de relação, dependentes e independentes, e tabelas especiais.

Quando:
20/04/19 – das 8h às 13h

Onde:
FEBAB – São Paulo - Rua Avanhandava, n. 40.

Valores e links para pagamento:
Não-associados: R$200,00
Associados: R$140,00
Alunos de graduação: R$100,00

Facilitadora: Profa. Me. Adriana Maria de Souza
Mestre em Ciência da Informação pela Universidade de São Paulo (ECA-USP) em 2013. Especialista em Gerência de Sistemas e Serviços de Informação pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP) em 2003. Bacharel em Biblioteconomia e Ciência da Informação pela Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação (FaBCI) da FESPSP, 2000. Docente nos cursos de graduação e pós-graduação da FESPSP. Consultora e Coach em Serviços de Informação nas áreas de Tratamento da Informação: organização e representação; Serviços de Referência: qualidade no atendimento ao cliente e coaching; Coaching para liderança e carreira do bibliotecário. Vivência de carreira com a Biografia Humana. Design Thinking para
bibliotecas.
 
--> -->


MAIO DE 2019

Oficina: Design Thinking para bibliotecas: como promover resultados colaborativos

Bibliotecários estão sempre em busca de resultados efetivos e eficazes em prol de suas comunidades. Para tanto, há muitos desafios a serem solucionados nas bibliotecas em que atuam. A oficina visa apresentar e vivenciar a abordagem de Design Thinking para a resolução desses desafios, a partir do toolkit traduzido pela FEBAB e produzido pela empresa IDEO, com o patrocínio da Fundação Bill & Melinda Gates.

Quando:
18/05/19 – das 9h às 13h

Onde:
FEBAB – São Paulo - Rua Avanhandava, n. 40.

Valores e links para pagamento:
Não-associados: R$180,00
Associados: R$125,00
Alunos de graduação: R$90,00

Facilitadora: Profa. Me. Adriana Maria de Souza
Mestre em Ciência da Informação pela Universidade de São Paulo (ECA-USP) em 2013. Especialista em Gerência de Sistemas e Serviços de Informação pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP) em 2003. Bacharel em Biblioteconomia e Ciência da Informação pela Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação (FaBCI) da FESPSP, 2000. Docente nos cursos de graduação e pós-graduação da FESPSP. Consultora e Coach em Serviços de Informação nas áreas de Tratamento da Informação: organização e representação; Serviços de Referência: qualidade no atendimento ao cliente e coaching; Coaching para liderança e carreira do bibliotecário. Vivência de carreira com a Biografia Humana. Design Thinking para
bibliotecas.
-->

quarta-feira, março 06, 2019

#PorqueEscolhiBiblio - Com: Raquel Oliveira

A Raquel Oliveira está no último ano de biblio pela FaBCI no período noturno e é a representante de sala. Já estava mais do que na hora dela contar pra gente porque escolheu esse curso, não é mesmo? Acompanhem agora...


Por que escolhi Biblio? Como muito alunos do curso eu não sonhava em ser bibliotecária desde pequena... conheci biblio por acaso, em uma conversa em um sofá olhando para a janela, e ela me foi apresentada por uma pessoa maravilhosa: minha mãe. Sim, se hoje estou na biblio, é culpa da minha mãe (no bom sentido haha). Mas vamos começar do começo.

Eu sempre sonhei em trabalhar com alguma coisa que me permitisse ajudar as pessoas, e foi pensando nisso que entrei no curso Técnico em Nutrição da ETEC. Amei o curso e conheci pessoas incríveis, mas a área de atuação não me chamava a atenção, e foi aí que entrou a conversa citada anteriormente.

Comecei a pensar na possibilidade de ajudar as pessoas através dos livros, a ajudá-las a descobrir o quanto ler é maravilhoso e te proporciona infinitas possibilidades... como amo livros e amei essa ideia, biblioteconomia seria perfeito. Minha irmã (outra culpada nessa história) estudava na ETEC de Artes, e me falou sobre o curso Técnico em Biblioteconomia da ETEC Parque da Juventude, que fica ao lado da de artes. Terminei o técnico de nutrição no primeiro semestre de 2015, e no segundo já estava no de biblio. A partir daí foi só amor a cada dia. Descobri que existem muitas áreas de atuação fora da biblioteca, e isso me animou a querer fazer a graduação e entender melhor como tudo funciona (Devo dizer que ainda prefiro o ambiente de biblioteca, principalmente a biblioteca escolar, que é o amor da minha vida).

Quem primeiro me falou da FESPSP também foi minha mãe (obrigada, santa sabedoria das mães). Descobri que uma pessoa que foi muito importante na minha infância se formou em biblio lá, assim como outras duas que eu conhecia. Além disso, minha prima é apaixonada pela área (assim como agora também sou), e começou o curso na FESPSP, mas não conseguiu terminar.

Logo, me vi rodeada de pessoas da área, conversei com elas sobre seus trabalhos e a cada conversa tinha mais certeza de que era isso que eu queria e de que a FESPSP era o lugar certo para começar minha caminhada.

Foto: Arquivo pessoal

10 anos de MC: Relato de Wellington F. Rodrigues

A MC completa seus 10 aninhos de existência e para comemorar esse marco pedimos para os monitores escreverem um breve comentário comemorativo.


O Wellington F. Rodrigues foi nosso primeiro monitor e nos escreveu o relato abaixo:

 
10 anos passam muito rápido, e desde quando acabou a minha participação na monitoria, aprendi bastante durante a minha trajetória profissional.

De inicio, criei o blog Biblioteconomia vagas de São Paulo para continuar divulgando algumas vagas que me passavam da época em que era monitor e também representante de sala. Posso dizer que o blog cumpre o seu papel de ajudar as pessoas que buscam uma vaga de estágio ou trabalho.

Consegui atuar de forma de intensa na área jurídica e adquirir conhecimento e atuação prática na área de tecnologia. Participei de alguns projetos relacionados à gestão da informação e tecnologia que foram muito importantes para a minha atual condição.

Nos últimos dois anos, lecionei no curso técnico de biblioteconomia na Etec Parque da Juventude. Foi um grande passo na minha vida e só confirmou o meu desejo de ser professor, conhecer novas pessoas e ajudar de alguma forma com tudo que aprendi na carreira. E o mais importante, foi aprender com todos (as) que convivi em sala.

Neste ano, vou lecionar na FaBCI! Sem dúvidas, um dos maiores desafios da minha vida e carreira. A minha expectativa é a melhor possível e a consciência da grande responsabilidade deste novo passo."
 
Foto: Arquivo pessoal