quarta-feira, junho 12, 2013

Brasil em foco em biblioteca estrangeira




Localizada no subsolo da Universidade Católica da América (Washington, DC) a Oliveira Lima Library compara-se a coleção doada para a USP por José Mindlin. Por Suellen Magno.




O
 diplomata, historiador, jornalista e bibliófilo recifense Manoel de Oliveira Lima (1867-1928) doou em 1916 à Universidade Católica da América (UCA), sua coleção pessoal de aproximadamente 40.000 itens relacionados à história e cultura do Brasil no período colonial e imperial como também os costumes de Portugal nos momentos de exploração de terras desconhecidas. 


Na época, o acervo já era considerado muito rico e de grande valor por conter livros raros, obras de artes, fotografias e cartas em que Oliveira Lima expunha suas opiniões políticas para personalidades como Machado de Assis e Joaquim Nabuco.  Desde então, o acervo cresceu e atualmente conta com mais de 60.00 itens, considerado pelo Guia Acadêmico de Washington, DC: Latin American and Caribbean Studies (Woodrow Wilson International Center, 1992) a maior e melhor coleção de materiais luso-brasileiros nos E.U.A.


Veja abaixo o link para este documentário
No momento a biblioteca é gerenciada pelo historiador americano Thomas Cohen e está sob a supervisão da bibliotecária americana Maria Angela Leal.  Localiza-se em quatro salas do subsolo da UCA. Não há mais espaço para esta importantíssima coleção. Cohen está empenhado em expandir ainda mais o acervo, motivado pelo aumento da procura de informações sobre o Brasil e da língua portuguesa nos últimos anos. 


Os itens de alto valor estão localizados em lugares de maior visibilidade, como por exemplo, uma paisagem de Pernambuco, pintada pelo artista holandês Frans Post (1612-1680) se encontra na National Gallery of Art, de Washington.

Outros itens de igual importância ainda encontram-se no subsolo, conforme relata a jornalista Laura Greenhalgh, do Jornal O Estado de São Paulo. Dentre os quais destaca-se a tela de Nicolas-Antoine Taunay (1755-1830) retratando o Largo do Machado, no Rio; o único busto em bronze de d. Pedro I, moldado pelo escultor Marc Ferrez (1788-1850); a única cópia colorida existente de Rerum per Octenium in Brasilia, de Gaspar Barleus (1584-1648), obra sobre os oito anos de administração de Nassau no Brasil, ilustrada com aquarelas de Frans Post; o primeiro livro em francês sobre o País, do franciscano Andre Thevet (1502-1590) - La Singularité de la France Anthartique (circa 1556); belos retratos a óleo de d. João VI. 

Devido aos problemas de espaço e infraestrutura, Cohen pretende transferir a biblioteca para o amplo e luxuoso primeiro andar da Universidade. O projeto foi aprovado pela reitoria. Entretanto, Cohen está em busca de patrocínio, pois precisa arrecadar 10 milhões de dólares para realizar a mudança da Biblioteca. Esta valiosa coleção merece estar em um espaço digno e apropriado e não “amontoada” e escondida no subsolo da UCA. 

Oliveira Lima, em seu testamento, pediu que após a sua morte a Biblioteca não retornasse para o Brasil. 

Assim, com os projetos de ampliação e digitalização completa do acervo, já em andamento, a Oliveira Lima Library, vai estabelecer definitivamente o seu rótulo de maior biblioteca brasiliana fora do Brasil.

Fontes: 

Veja – edição 2317 – 17 de abril de 2013 pag. 92-95

 Saiba mais:










Suellen Magno é aluna do 3º semestre noturno 
 

2 comentários:

  1. Uma pena que muitos brasileiros não apreciam e consideram isso como um tesouro da nossa história... Sônia Dias

    ResponderExcluir
  2. É um belo tesouro de nossa história, sim, Sônia. Oliveira Lima tomou uma decisão polêmica ao não permitir que sua coleção voltasse para o Brasil, mas em que condições ela seria estruturada aqui? Será que ele tinha certeza de ser atendido em suas exigências? Talvez não. Obrigada pela sua mensagem, e continue participando no Blog da Monitoria.

    ResponderExcluir