Pular para o conteúdo principal

Publicação da Maria Rosa Crespo em revista portuguesa

Acaba de ser publicado um novo número da revista Páginas a&b: arquivos e bibliotecas, uma publicação portuguesa que pode ser consultada aqui.
Nesta edição, nossa querida professora Maria Rosa Crespo teve um artigo publicado, chamado Arqueologia das mídias e profissionais da memória: uma relação simbiótica (clique no link para acesso direto).

Aproveitando essa oportunidade de ter uma publicação internacional, fizemos uma entrevista com nossa professora, a qual vocês conseguem ler abaixo:

Professora Maria Rosa Crespo. Fonte: Facebook pessoal da professora

- Fale rapidamente sobre como foi a experiência de publicar um artigo em Portugal.
Após escrever o artigo, fui analisar a Plataforma Sucupira (https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/) para ver em qual periódico eu poderia submeter. Acontece que se trata de uma temática interdisciplinar: biblioteconomia, arquivologia e museologia, fora o cinema e as mídias digitais. A revista Páginas a&b, além de ser um periódico interdisciplinar, está classificado como B4 no Qualis, e tem outros autores brasileiros publicados, então arrisquei. E deu certo, eles gostaram bastante. É muito bacana e animador você ter um artigo aprovado por um periódico estrangeiro.

- Qual a importância de termos artigos brasileiros publicados fora do Brasil?
Certamente é importante. Vamos lembrar que o objetivo da investigação científica é sua publicação, sem isso não se faz ciência. E vamos lembrar o papel dos periódicos acadêmicos na construção da imagem dos pesquisadores brasileiros no exterior.  Portugal, assim como a Espanha, são nossa porta de entrada para a Europa e para o reconhecimento da pesquisa acadêmica que se faz na América do Sul. 

- Esse artigo fez parte do seu projeto de doutorado?
Faz parte do meu projeto de doutorado sim. A ideia partiu de uma disciplina que envolve Arqueologia das mídias e achei que poderia ser interessante pesquisar o papel dos bibliotecários, arquivistas e museólogos nessa prática. Não vou ficar explicando aqui o que arqueologia das mídias, você tem que ler o artigo para saber....

- Por favor, deixe algumas dicas sobre como publicar artigos em periódicos importantes dentro e fora do Brasil?
É necessário ter uma boa investigação, com bom referencial teórico e com boa discussão dos dados coletados. Depois disso você faz um passeio pela Plataforma Sucupira a analisa os periódicos. Estão separados por temática e pela classificação de A1 a C4. É muito importante que sua investigação esteja de acordo com a temática do periódico, ou dos dossiês e edições especiais que são anunciados.  Depois, você formata o artigo de acordo com as exigências do periódico e submete para análise. Como o seu nome e instituição não estão declarados no arquivo que vai para análise, os pareceristas darão sua opinião livre de pressões internas ou externas ao periódico.

Eu acredito, divulgo e advogo pela causa da interdisciplinaridade na pesquisa acadêmica. Creio que é a melhor maneira de revigorar e tornar mais interessante e produtiva a investigação científica.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Keep calm que as férias estão chegando...

É com muita alegria e saudade no coração que informo que este é nosso último boletim de 2015... sabe o que isso significa? As férias chegaram!!!

Mas calma ano que vem tem mais!

Em 2016 teremos um novo Monitor, que com certeza virá cheio de ideias legais e projetos maravilhosos. Esta pessoa ainda está sendo escolhida, e logo mais, haverá divulgação, por isso não deixe de acompanhar a Monitoria Científica nas redes sociais.

Esse foi um ano bem puxado, cheio de conteúdo e de festividades né...

Teve CBBD, aniversário de 75 da Biblioteconomia na FESPSP, Jubileu de Ouro da regulamentação da profissão de Bibliotecário...

Mas ano que vem, também será um ano bem movimentado, então é bom aproveitar as férias e recarregar as energias.

Aos colegas que se formaram: Parabéns! Sucesso em suas escolhas!
Aos colegas que ainda estão por aqui: Força e Foco! Estamos quase lá...

Não posso deixar de agradecer aos meus queridos voluntários, o sucesso do projeto também depende da participação de vocês. E vocês…

Especial: Histórias de amor entre bibliotecários

Durante o Valentine's Day desse ano, a IFLA anunciou um "call for papers" sobre histórias de amor entre bibliotecários, que será apresentado durante o evento na Grécia, em agosto. O enunciado falava sobre histórias, coleções e a paixão no ambiente profissional.

Como nosso "Dia dos namorados" é comemorado em junho, tivemos a ideia de fazer algo parecido, com uma carinha brasileira e dar voz às histórias de alguns casais de bibliotecários que conhecemos através do Facebook.

Então, sem mais delongas, venha ler e se emocionar com essas histórias lindas de amor entre bibliotecários.


Amanda Franco e Tiago Murakami (São Paulo, SP)

Breve história
Nos vimos as primeiras vezes nos corredores do departamento de Biblioteconomia da ECA/USP, em 2008. Tiago já era formado, mas vivia caçando assunto na faculdade e eu era aluna do curso. Nos conhecemos no EREBD-SUL Curitiba em 2008, ele viajou junto com os alunos e começamos a conversar, mas até então, nada além de colegas. Aos p…

10 anos de MC: Relato de Marina Chagas Oliveira

Desde que deixei de ser Monitora no finzinho de 2018, me vi em uma nova realidade. A vida de estudante finalmente acabou e encarar o mundo do mercado de trabalho se mostrou um grande desafio.

Meu primeiro emprego pós-FESPSP foi conseguido através de uma colega de curso. O projeto era transformar uma sala atulhada de livros - alguns com praticamente 100 anos, em uma biblioteca funcional. Eu nunca havia feito nada desse tipo, e catalogar, indexar e organizar pra valer foi do penoso para o divertido em um piscar de olhos - ainda bem!

Logo em seguida, embarquei em uma tarefa totalmente diferente.
Fui aprovada em um processo seletivo no SciELO e atualmente trabalho com publicação científica. Os livros se tornaram arquivos XML e com a mudança veio uma nova onda gigantesca de aprendizado e adaptações.

Em menos de um ano aprendi na pele que o trabalho de bibliotecário pode converter uma sala empoeirada em um verdadeiro templo do conhecimento, como também pode ser perfeitamente executado fora …