Pular para o conteúdo principal

Era uma vez uma pesquisa que se transformou em e-book... - Por: Regina Belluzzo

A professora Regina Belluzzo (do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, e da Pós-Graduação em TV Digital da UNESP-Marília e Bauru), lançou o e-book “A Competência em informação no Brasil: cenários e espectros”, pela Associação Brasileira de Educação em Ciência da Informação – ABECIN em maio deste ano.

Pedimos à professora que nos contasse um pouco sobre a obra, e ela gentilmente aceitou o convite, nos enviado um texto maravilhoso.

Muito obrigada, professora Regina Belluzzo! É uma honra para nós publicarmos um texto da senhora.




Era uma vez uma pesquisa que se transformou em e-book...


Fonte: Abecin.


Inicia-se por agradecer o convite e a oportunidade para fazer algumas considerações sobre o E-book de minha autoria que foi lançado pela ABECIN recentemente.

A primeira pergunta que sempre acontece é: como surgiu um livro como “A Competência em informação no Brasil: cenários e espectros”? A partir de uma ideia que, em algum momento, estabeleceu elo com um ideal. Ressalta-se que a noção de atitudes para o uso da informação surgiu com os movimentos que se desenvolveram de forma paralela em diferentes partes do mundo, a partir dos anos 80. Trata-se de um conjunto de atitudes referentes ao uso e domínio da informação, em quaisquer dos formatos em que se apresente, bem como das tecnologias que dão acesso à informação: capacidades, conhecimentos e atitudes relacionadas com a identificação das necessidades de informação, conhecimentos das fontes de informação, elaboração de estratégias de busca e localização da informação, avaliação da informação encontrada, sua interpretação e síntese, reformulação e comunicação – processos apoiados em uma perspectiva de solução de problemas e denominados como competência em informação. 

Tais processos podem ser desenvolvidos em parte mediante o manejo das tecnologias da informação e da comunicação (TIC), a utilização de métodos válidos de pesquisa, porém, sobretudo por meio do pensamento crítico e da racionalidade humana. E, assim mesmo, foi o que aconteceu com as ações que deram  origem à essa obra, que é fruto de um Projeto de Pesquisa Trienal junto ao Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, onde  atuo como docente  em regime de voluntariado. Devo dizer que é o registro e a memória do “Movimento da Competência em Informação” no Brasil no período de 2000 a 2016, área de interesse e que tem oferecido oportunidades de desenvolvimento, sendo, ainda, muito jovem no nosso contexto para que possamos compreender suas nuances e extensão. 

Assim, seguimos o exemplo de um artista que busca a criação de algo para a sociedade, sendo que estamos iniciando a pintura de um quadro composto da ajuda de muitos pincéis e tintas concretizadas nas pessoas e instituições que disponibilizaram suas contribuições para que, certamente, fosse publicado esse E-Book despretensioso que poderá ser visto no presente e, talvez, admirado no futuro, considerando-se estar inserido e disponibilizado em um meio digital pelo esforço e agregação de valor da Associação Brasileira de Educação em Ciência da Informação (ABECIN), a quem agradecemos imensamente pela edição e lançamento.

Vamos agora ao que se considera a sua concepção e conteúdo. O Livro apresenta, inicialmente, a evolução do conceito sobre competência em informação (CoInfo), extraída da literatura da área de Ciência da Informação, evidenciando os principais pesquisadores deste campo científico. 

Para tanto, analisa a produção científica abrangendo o período de 2000 a 2016, contemplando dezesseis anos de pesquisa sobre a temática que destaca. Pode-se destacar aqui um aspecto de importância porque para a realização dessa análise foi necessário proceder à criação de “Indicadores de CoInfo”, uma vez que o tema ainda é considerado emergente em nosso país. Destaca-se que foram utilizados indicadores identificados em pesquisa anteriormente realizada como requisito ao desenvolvimento de pós-doutorado junto à UNESP- Araraquara, no Programa de Pós-/graduação em Gestão Escolar e que se encontram em Relatório Final (BELLUZZO, 2003)[1] e definindo-se uma estrutura a partir de três contextos distintos e das concepções da competência em informação, tais como: concepção da informação (com ênfase na tecnologia da informação); concepção cognitiva (com ênfase nos processos cognitivos); e, concepção da inteligência (com ênfase no aprendizado) (DUDZIAK, 2003)[2]

Desse modo,  foram estabelecidas  categorias, por meio do método de Análise de Conteúdo (BARDIN, 1977)[3] que permitiram analisar a literatura produzida no País sobre competência em informação, evidenciando como resultado: a) questões terminológicas; b) contextos e abordagens teóricas; c) políticas e estratégias; d) inclusão social e digital; e) ambiente de trabalho; f) cidadania e aprendizado ao longo da vida; g) busca e uso da informação; h) boas práticas; i) gestão da informação, gestão do conhecimento e inteligência competitiva; j) bibliotecas, bibliotecários e arquivistas; k) mídia e tecnologias; l) diferentes grupos ou comunidades; e m) tendências e perspectivas.

Inicialmente, como trajetória metodológica do estudo foi realizada uma pesquisa bibliográfica junto às fontes impressas e eletrônicas (Base de Dados Referencial de Artigos de Periódicos em Ciência da Informação), pesquisa on-line também em periódicos da área e de educação, base de dados da CAPES sobre dissertações e teses, bases disponibilizadas pelo IBICT e repertórios institucionais de universidades brasileiras, com o objetivo de mapear a produção científica de forma seletiva. 

Foto: Professora Regina Belluzzo. Arquivo Pessoal.
Essa pesquisa foi desenvolvida por meio do recurso de uso das palavras-chave quanto às áreas de origem/destino destas produções, visto a diversidade e imbricamento dos termos que envolvem as discussões, de temáticas subjacentes a estes termos, de formação dos pesquisadores e de instrumentos de disseminação da produção. Além disso, considerando-se essas dificuldades e o tempo disponível, optou-se por realizar o levantamento a partir:

a) das obras referidas pelos autores que produzem conhecimento em estudos sobre a competência em informação no Brasil;

b) das informações prestadas nos currículos cadastrados na Plataforma Lattes (palavras-chave: competência em informação, alfabetização informacional, competência informacional, letramento informacional, literacia informacional e outros similares);

c) dos acervos disponibilizados on line pelas bibliotecas universitárias, instituições oficiais da área de ciência da informação, de movimentos associativos inerentes e de organismos públicos de interesse.

Do levantamento inicial, com as revisões de duplicidade, de documentos fora do tema, entre outros, foram considerados como sendo corpus de interesse específico aos propósitos da pesquisa em questão, em uma primeira etapa, um total de 379 documentos (artigos publicados em periódicos (217); dissertações e teses divulgadas (129); livros (33); grupos de pesquisa (11) envolvendo o tema competência em informação e também 22 eventos específicos sobre a CoInfo, considerando-se que alguns resultados constituem marcos históricos no nosso contexto. Nesse intuito, discutem-se os cenários e espectros relacionados a cada categoria,  proporcionando uma compreensão mais aprofundada sobre os aspectos inerentes e relacionados à competência em informação. 

São tantos aspectos relevantes a serem estudados no âmbito dessa competência que, há espaço para pesquisas em diferentes níveis (lato e stricto sensu), bem como para o desenvolvimento de boas práticas no âmbito dos aparelhos culturais, entre eles, as bibliotecas, os arquivos e os museus, estendendo-se também às organizações sociais de modo geral.

Além disso, descreve também as barreiras e os avanços dos estudos e pesquisas que envolvem a competência em informação no cenário nacional, abordando a apropriação e incorporação do conceito no âmbito das políticas públicas, bem como no que tange às práticas desenvolvidas no Brasil.

Trata-se de contribuição cujo objetivo visa à criação de base teórica e da aplicabilidade da competência em informação (CoInfo), enquanto um tema de interesse que atua transversalmente em articulações com áreas estratégicas de ensino e aprendizagem, da pesquisa, inovação, desenvolvimento social e da construção do conhecimento para o exercício da cidadania. Procura-se demonstrar que a CoInfo  está em perfeita sintonia com os paradigmas comunicacionais e educacionais emergentes, considerando-se que a pesquisa virtual apoiada na Internet com seus milhões de sites de busca, ao mesmo tempo em que permite encontrar informações sobre todas as áreas do conhecimento em grande quantidade, traz consigo novos problemas e uma grande complexidade para saber buscar, selecionar e utilizar essas informações visando à construção de conhecimento com aplicabilidade à realidade social contemporânea. Trata-se de obra de natureza didática e que se destina ao ensino e pesquisa em níveis de graduação e pós-graduação.

Espera-se poder incitar à leitura e às novas reflexões que venham subsidiar a adoção de posturas estrategicamente voltadas para a institucionalização da CoInfo no país, a partir desta contribuição introdutória à abordagem de questões que envolvem essa competência, uma vez que não  houve a pretensão de oferecer respostas e de se esgotar o “estado da arte” do tema, isto porque  somos impactados pela sua dinâmica e pelo crescimento que o tem norteado desde então. Esse é o desafio a enfrentar, continuamente, a partir de novas ideias em estreita relação com nossos ideais...
Regina Celia Baptista Belluzzo



[1] BELLUZZO, R.C.B. Relatório final apresentado ao Programa de Pós-Doutorado em Gestão Escolar. Araraquara: Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras/Unesp, 2003.
[2] DUDZIAK, E.A. Information literacy: princípios, filosofia e prática. Ciência da Informação, Brasília,v. 32, n. 1, p. 23-35, jan./abr. 2003. Disponível em:. Acesso em: 10 ago. 2014.
[3] BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70 Ltda, 1977.




O livro da professora Regina Belluzzo pode ser baixado no site da Abecin ou pelo link: http://abecin.org.br/data/documents/E-Book_Belluzzo.pdf

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Projetos PIBIC 2021!

Aos curiosos sobre os mais novos projetos do PIBIC 2021, segue notas das duas alunas selecionadas para essa nova edição. " Não é de hoje que a cidade de São Paulo tem histórias de atletas negros, pobres, em sua maioria, periféricos, que  foram grandes astros em suas modalidades e suas histórias comprovam que, por questões raciais e sociais, tiveram que mostrar muito mais talento que a grande maioria dos atletas brancos para seguir sendo representantes de entidades que, em geral e historicamente, não são tão amistosas com a raça negra - por mais geniais que sejam as conquistas.  O que a pesquisa "Do pódio à segregação" pretende é investigar se, entre atletas paulistanos, grandes vencedores de Olimpíadas e Campeonatos Mundiais, a importância de uma conquista de pódio ou medalha muda com a cor da pele; porque atletas negros não são a referência quando o assunto é tanto a prática esportiva como o o esporte de alto rendimento.  O trabalho também quer responder se atualmente é

PEC Biblioteca Humana

Incentivar práticas de respeito às diferenças e à diversidade com empatia através do compartilhamento da história de vida dos estudantes é o principal eixo do Projeto Biblioteca Humana - parte do Programa Biblioteca Educação desenvolvido desde 2014. O projeto é desenvolvido a partir da contação de histórias de vidas dos estudantes, e ao final é realizada uma atividade onde utiliza-se expressões artísticas - como teatro,poesia, dança - abordando temáticas como o racismo, a xenofobia, a LGBTfobia, o capacitismo e também padrões estéticos sociais. Pensando nisso, o curso de Biblioteconomia e Ciência da Informação, em conjunto com o Programa Biblioteca Educação - PROBE, realizará, no próximo dia 10, uma nova edição do Programa de Enriquecimento Curricular (PEC) #emcasa sobre “Biblioteca Humana”, com a presença da bibliotecária e especialista em Gestão da Informação Digital, Aruana Marcondes. Com mediação de Valéria Valls, coordenadora do curso, o encontro ocorre a partir das 17h30.⠀⠀

12 de março: celebração e reivindicação. Por Micheline Ferreira.

A temática sobre as privatizações propostas pelo novo governo em contrapartida dos equipamentos culturais públicos, como o CCSP e as Bibliotecas Públicas, ainda é uma discussão que está longe de chegar ao fim.  Nesse ínterim, a MC recebe mais um relato sobre as ações desenvolvidas para reflexão e defesa de interesses que permeiam nossa área e das quais não podemos nos abster de, ao menos, tomar conhecimento. Vejam a matéria feita pela aluna Micheline Ferreira do 5º Semestre/Noturno sobre o “Leituraço” ocorrido no Dia do Bibliotecário na Avenida Paulista. No dia 12 de março, dia do bibliotecário, foi promovido, na avenida Paulista o “Leituraço em defesa do CCSP (Centro Cultural São Paulo) e das bibliotecas públicas de São Paulo” . O “Leituraço” foi o segundo ato organizado em defesa do maior sistema público de bibliotecas da América Latina e contou com a presença de estudantes, bibliotecários, artistas, vereadores, transeuntes solidários à causa, dentre outros.